nsc
dc

Rio de Janeiro

Caso Henry: entenda a prisão de Dr. Jairinho e da mãe do menino

Ao ser preso, o vereador diz estar sendo “vítima de injustiça”

08/04/2021 - 08h07

Compartilhe

Metrópoles
Por Metrópoles
Para os investigadores, a criança foi assassinada há um mês
Para os investigadores, a criança foi assassinada há um mês
(Foto: )

Suspeitos de participação na morte de Henry Borel Medeiros, de 4 anos, o vereador carioca Dr. Jairinho (Solidariedade) e a mãe do menino, Monique Medeiros, foram presos pela Polícia Civil do Rio de Janeiro na manhã desta quinta-feira (8/4). Para os investigadores da 16ª DP (Barra da Tijuca), a criança foi assassinada há um mês.

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Os mandados de prisão temporária, de 30 dias, foram expedidos na última quarta-feira (7/4), pelo 2º Tribunal do Júri da Capital. O casal é suspeito de atrapalhar as investigações, ameaçar e combinar versões de testemunhas.

De acordo com as diligências conduzidas pela Polícia Civil do Rio, Jairinho, que era padrasto do menino, batia em Henry. Dava chutes, rasteiras e pancadas na cabeça do menino. A mãe, que é professora de formação, tinha conhecimento das agressões, pelo menos, desde fevereiro, ainda segundo os investigadores.

Segundo a polícia, Jairinho teria torturado Henry ao menos uma vez. Em 12 de fevereiro, Monique teria chegado a casa e percebido que o marido estava trancado no quarto com o enteado. Ao ser preso, o vereador diz estar sendo “vítima de injustiça”.

Entenda o caso

Henry Borel Medeiros morreu no dia 8 de março, ao dar entrada em um hospital da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Segundo o pai do garotinho, Leniel Borel, ele e o filho passaram, normalmente, o fim de semana juntos. Por volta das 19h do dia 7, o engenheiro o levou de volta para a casa da mãe do menino, Monique Medeiros da Costa e Silva de Almeida. Ela mora com o vereador e médico Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade).

Ainda segundo o pai de Henry, por volta das 4h30 do dia 8, ele recebeu uma ligação de Monique falando que estava levando o filho para o hospital, porque o menino apresentava dificuldades para respirar.

> Deputados entram na Justiça para que Bolsonaro devolva dinheiro gasto nas férias em SC

Leniel afirma que viu os médicos tentando reanimar o pequeno Henry, sem sucesso. O garotinho morreu às 5h42, conforme registro policial registrado pelo pai da criança.

Segundo depoimentos prestados por Monique e Jairinho na 16ª DP, eles assistiam a uma série na televisão, quando, por volta das 3h30, encontraram Henry caído no chão, com mãos e pés gelados e olhos revirados. Ambos alegam acidente doméstico.

Laudo mostra lesões graves

O laudo de exame de necropsia no corpo de Henry foi o principal ponto de partida para a investigação sobre a morte do menino de 4 anos. Assinado pelo perito Leonardo Huber Tauil do Instituto Médico-Legal (IML), o documento, ao qual o Metrópoles teve acesso, revela que o garoto morreu por hemorragia interna, laceração hepática por ação contundente, como socos e pontapés.

Foram identificadas múltiplas lesões nos rins, pulmões, nas costas e na cabeça. Depois de ouvir 17 testemunhas, a Polícia Civil do Rio de Janeiro conta ainda com uma força-tarefa com peritos que ainda está debruçada em analisar 11 celulares e três computadores, apreendidos no último dia 26, de Monique, Jairinho e do pai de Henry, Leniel Borel. Investigadores tentam recuperar mensagens apagadas dos celulares do casal, que teriam sido apagadas na noite da morte da criança.

Leia mais no Metrópoles, parceiro do NSC Total.

* Por Márcia Delgado

Leia também:

Catarinense à espera de tratamento usado por Paulo Gustavo morre por Covid-19

Vídeo: homem é preso por furtar e vender vacina contra Covid-19

Santa Catarina tem dois bilionários na lista global da Forbes de 2021

“Salsichinha” late para deputado, que ameaça matar cachorro a tiros

A cerveja mais alcoólica do Brasil: rótulo paulista bate recorde nacional e custa R$ 450

Colunistas