nsc
nsc

Vinho

Com nova marca, primeira vinícola a investir em vinhos de altitude deve abrir para visitação em novembro

Vinícola Quinta da Neve mantém a qualidade dos rótulos ao mesmo tempo em que abre as portas para receber visitantes ainda neste ano

21/10/2021 - 13h51 - Atualizada em: 21/10/2021 - 14h00

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Vinícola Quinta da Neve mantém a qualidade dos rótulos
Vinícola volta a receber visitantes
(Foto: )

Desde o início das instalações na região mais fria do Estado, as vinícolas passaram por um período ainda curto de aprendizado quando comparado ao de outras regiões ou países. No entanto, os rótulos catarinenses já são reconhecidos em premiações nacionais e internacionais pela excelência dos produtos.

Isso ocorre porque a região da Lomba Seca apresenta condições climáticas e geográficas que proporcionam vinhos de alta qualidade, como boa incidência solar e temperaturas mais amenas.

Primeira vinícola a investir em vinhos finos de altitude em Santa Catarina, a Quinta da Neve passa por um processo de repaginação da marca e deve focar também no enoturismo. Os antigos donos venderam a propriedade para cinco sócios de Balneário Camboriú e divulgam a nova marca, com repaginação da vinícola, investimentos para reestruturação e replantio de algumas mudas.

> São Joaquim: Saiba por que visitar a Capital da Maçã em qualquer estação do ano

Betina de Bem, doutora em produção vegetal e enóloga da Quinta da Neve, conta que a produção iniciou em 1999. Os antigos proprietários, que trabalhavam com importação de vinhos, buscavam um local para fazer vinhos finos de qualidade no Brasil.

  • Após uma série de pesquisas, perceberam que o terroir de São Joaquim tinha características específicas como altitude elevada e noites frias, que proporcionam qualidade na uva. Encontraram uma propriedade na localidade de Lomba Seca e instalaram os primeiros vinhedos , com o plantio das mudas viníferas importadas da Itália e de Portugal. A partir daí, outras vinícolas também se instalaram na região, formando a rota que é tão querida por apreciadores da bebida.

Segundo a enóloga, os vinhos produzidos hoje são das variedades que mais se adaptaram no terroir, como: Sauvignon Blanc, Montepulciano, Sangiovese, além de Pinot Noir – variedade frequentemente premiada nos rótulos da Quinta da Neve. A vinícola ainda trabalha com Chardonnay e Malbec.

— Além desses, temos o Touriga Nacional e Alvarinho, que são variedades portuguesas, frutos desse tempo inicial. Um grande enólogo português deu consultoria para a vinícola e trouxe essas variedades — conta Betina de Bem.

Vinhos de excelência reconhecidos em premiações

Na Quinta da Neve, os vinhos são elaborados com amor, tecnologia e trabalho de excelência. A vinícola está situada numa região extraordinária e com um solo ideal para o cultivo de uvas viníferas em São Joaquim, a 1.200 metros acima do nível do mar. Com as condições adequadas para o cultivo de vinhedos em altitude, a produção é focada em alta qualidade, não em quantidade.

Todos os aperfeiçoamentos tecnológicos e inovações tiveram a qualidade como objetivo principal. Com isso, a vinícola conta com vinhos premiados e reconhecidos pelo seu diferencial frente a outros rótulos disponíveis no mercado.

O Touriga Nacional 2020 e Leão Baio conquistaram, respectivamente, os prêmios Grande Ouro e Ouro. Além disso, as variedades de Pinot Noir, Sauvignon Blanc e Montepulciano também já tiveram rótulos premiados. Nos rankings de melhores rótulos do Brasil e América do Sul, as variedades aparecem em destaque, o que reforça ainda mais o potencial da região para a produção de vinhos finos de altitude.

> Cinco parques para visitar na Serra Catarinense

— A gente já teve premiação do Touriga Nacional, que é um vinho muito especial que vem se destacando mesmo. Apresentamos ele recentemente em uma feira conceituada do setor e foi um sucesso, todo mundo queria vir conhecer e degustar esse vinho e com o Leão Baio que foi uma proposta nova também. É um corte com quatro variedades, Malbec, Montepulciano, Merlot e Touriga — explica a enóloga.

Foco no enoturismo deve atrair visitantes para vinícola

A região conta com uma vista inspiradora, paisagem ideal para apreciar o pôr do sol. Um dos animais raros que faz parte do local, o Leão Baio, dá nome a um dos rótulos premiados pela vinícola. A estrutura passa por uma atualização e conta com proposta de alto padrão voltada ao enoturismo.

> Inspire-se com o rótulo espanhol da 4ª noite de Confraria Itapema 2021

Hoje, a produção anual da Quinta da Neve fica em torno de 53 mil garrafas. A ideia é chegar a 100 mil garrafas por ano. Mas, como é uma vinícola butique, visando sempre a qualidade e não o volume. Até o momento, a empresa conta com 12 funcionários, entre colaboradores do campo e vinícola.

De acordo com a enóloga, o objetivo da nova marca é manter a qualidade com as uvas já cultivadas e manter o foco na qualidade, com inovações e tecnologias que busquem o melhor vinho possível. Após esse processo de reestruturação, a visitação do público será possível a partir de novembro.

— Existe agora um foco grande para o enoturismo na vinícola. Nosso receptivo está ficando pronto no final do mês e estaremos abertos para receber o público na loja, visitação nos vinhedos e na vinícola.

Conheça mais sobre a Vinícola Quinta da Neve

Aprecia um bom vinho? Saiba mais sobre a Quinta da Neve no site e nas redes sociais.

Leia Mais

Pioneira na produção de vinhos de altitude, vinícola Quinta da Neve inaugura nova marca

4ª edição da Confraria Itapema 2021 traz chef laureado pelo Guia Michelin

Colunistas