nsc
hora_de_sc

Imunização

Com poucas vacinas, Florianópolis amplia prazo para segunda dose da Astrazeneca

Pessoas que já receberam a primeira dose terão que esperar duas semanas a mais para completar o esquema vacinal

15/09/2021 - 05h00 - Atualizada em: 15/09/2021 - 08h31

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Intervalo entre doses aumentou para 12 semanas; tempo maior não enfraquece a proteção
Intervalo entre doses aumentou para 12 semanas; tempo maior não enfraquece a proteção
(Foto: )

Florianópolis decidiu ampliar o prazo para a aplicação da segunda dose da vacina contra o coronavírus em pessoas que iniciaram a imunização com a Astrazeneca. Assim, a partir desta quarta-feira (15), o público precisa aguardar intervalo de 12 semanas para completar o esquema vacinal. Até então, a orientação da prefeitura era de retorno após 10 semanas.

Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

O intervalo entre as doses foi estendido nesta semana, segundo explica a prefeitura de Florianópolis em nota, devido ao atraso do Ministério da Saúde, responsável pela envio dos imunizantes ao Estado.

Embora atrase a imunização completa dos moradores em duas semanas, a ampliação do prazo não vai prejudicar a proteção. 

Isso porque o intervalo recomendado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) é de 10 a 12 semanas entre ambas as aplicações da Astrazeneca.

Moradores do Norte da Ilha reclamam da coleta de lixo em Florianópolis

Distribuição de novas doses

O governo do Estado informou, através da Dive-SC que iniciou na terça e conclui nesta quarta-feira a distribuição de 72.590 novas doses de AstraZeneca para aplicação da segunda dose, quantidade suficiente para aplicações nesta semana. 

Para manter a vacinação em dia no restante do mês, porém, será necessário receber mais doses até o início da próxima semana.

Tornado foi causa de destruição no Oeste de SC: "Parecia que ia levantar a casa"

São Paulo mistura vacinas por falta de doses da Astrazeneca

Na segunda (13), os paulistanos que deveriam tomar a segunda dose da Astrazeneca receberam a Pfizer por causa da falta da vacina nos postos. O estado paulista foi autorizado a ministrar diferentes doses após déficit da vacina de Oxford e atraso no calendário de imunização. 

Leia também

Quase 300 mil não voltaram para tomar a segunda dose contra Covid-19 em SC

Deputado propõe frente parlamentar pela duplicação da BR-282

Spray nasal contra Covid-19 desenvolvido no Brasil deve estar disponível em 2022

Colunistas