nsc
nsc

FInanças

Como calcular minha reserva de emergência?

Especialista em finanças dá dicas de investimentos para que tenhamos tranquilidade financeira mesmo em momentos de recessão ou imprevistos.

26/11/2021 - 10h51

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Como o nome sugere, esse tipo de investimento serve para promover segurança em momentos difíceis.
Como o nome sugere, esse tipo de investimento serve para promover segurança em momentos difíceis.
(Foto: )

Quando buscamos conteúdos sobre a vida financeira, é inevitável que, dos temas mais procurados, muitos estão relacionados ao que chamamos de reserva de emergência. Algumas dúvidas são comuns. Entre elas, está o valor que cada pessoa deve ter guardado para permanecer em tranquilidade financeira após imprevistos, como a perda de emprego ou até mesmo períodos pandêmicos, como estamos vivendo neste momento.

Vanessa Zanchett, especialista de investimentos da Warren, destaca que, como o próprio nome já diz, é um valor que será destinado para qualquer eventualidade que venha surgir, como ficar desempregado, despesas médicas, manutenção do carro, reparo na casa, entre outros.

Como calcular a reserva de emergência

Uma dúvida frequente é sobre a quantia necessária para ter uma reserva de emergência que promova a segurança, mas sem comprometer outras modalidades de investimento, caso a pessoa tenha guardado um valor menor.

> Você compra por necessidade ou por impulso? Responda ao quiz e descubra qual é o seu perfil de “gastador”

— Costumamos dizer que a meta para a reserva de emergência é você ter o equivalente a 6 vezes suas despesas fixas mensais. Para aqueles que têm um emprego estável e remuneração garantida, uma reserva de 3 meses referente a sua renda é suficiente, porém empresários ou pequenos empreendedores e autônomos, devem ter uma reserva maior, de até 12 vezes suas despesas — detalha Zanchett.

Como investir na reserva de emergência

Depois de definido o valor que será destinado para a reserva de emergência, é preciso escolher onde realizar os investimentos dos recursos.

— É importantíssimo que este investimento tenha 3 características: baixo custo, liquidez (facilidade e rapidez para ter o recurso disponível quando precisar) e segurança. Portanto, nada de arriscar. E, outro ponto a ressaltar, pelo menos 100% do CDI. Para se ter uma comparação, a poupança, um dos investimentos mais utilizados pelos brasileiros para a reserva de emergência, rende 70% do CDI — afirma a especialista.

Opções de investimentos para reserva de emergência

1) Contas Remuneradas

Basicamente, o saldo parado em conta remunerada apresenta rendimentos já previsíveis, geralmente de 100% do CDI. Esse tipo de conta possui encargos como IOF e imposto de renda que segue a tabela progressiva de renda fixa. São mais práticas e as taxas são consideradas baixas.

2) Tesouro SELIC

É um dos principais investimentos escolhidos pelos investidores iniciantes, devido ao baixo risco e possibilidade de resgate a qualquer momento. Com o Tesouro Selic, os valores apresentam rendimento conforme a variação da taxa básica de juros. Os recursos disponibilizados são voltados para atividades governamentais, visto que é um título público.

3) CDBs

O Certificado de Depósito Bancário é um título de renda fixa emitido por instituições financeiras, visando captar recursos para financiamento de alguma atividade. O investidor empresta o valor para o banco e recebe uma rentabilidade definida no momento da aplicação. Os CDBs podem ser pré-fixados ou pós-fixados. Nos pré-fixados, há uma taxa específica definida, como por exemplo uma rentabilidade de 10%. Já os CDB’s pós-fixados dependem de outro indicador, como a inflação. Algumas vezes, o CDB pode pagar o IPCA+4,5%, por exemplo.

Como a inflação vem variando muito, a indicação no momento é escolher um CDB pós-fixado, pois tanto a inflação como as taxas de juros podem sofrer alterações mais abruptas. Quanto mais longo, a rentabilidade tende a ser maior.

No entanto, fique atento! Conheça a instituição bancária que emitiu o CDB. Nada de comprar de instituições com situação financeira delicada, pois apesar da rentabilidade sugerida provavelmente ser maior, o risco também é.

Os CDBs são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos), instituição que protege investimentos de até R$ 250 mil por CPF e por instituição financeira.

4) Fundos DI

São também chamados fundos de renda fixa referenciados DI. Alternativa considerada também conservadora e que promove a diversificação dos ativos. Um gestor definido por quem emite será o responsável por alocar os recursos nos títulos de renda fixa que considera mais favoráveis no momento, segundo a estratégia do gestor e do fundo.

> Instituições financeiras agora devem informar os clientes sobre remuneração na compra de ativos

Os fundos podem alocar recursos em títulos públicos e privados, segundo a estratégia escolhida pelo gestor desse fundo. Os fundos apresentam liquidez diária, importante a ser considerada na reserva de emergência.

Os impostos incidem de acordo com a tabela regressiva do imposto de renda. Nesse caso, fique atento ao gestor do fundo, pesquise antes de aplicar. Nesse tipo de modalidade, não há proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Investimentos para reserva de emergência devem ser de fácil resgate.
Investimentos para reserva de emergência devem ser de fácil resgate.
(Foto: )

Todas essas modalidades de investimento estão disponíveis na Warren. Abrindo sua conta gratuitamente, você consegue criar a sua reserva de emergência de um jeito descomplicado e prático! Seja na Conta remunerada ou criando uma carteira para esse objetivo, você terá a melhor experiência do país para construir e realizar todos os seus planos de vida. 

Saiba mais sobre investimentos de forma descomplicada no site da Warren.

Acesse o canal Investe Mais no NSC Total e receba mais dicas de investimentos e finanças.

Leia também

Como escolher o melhor fundo de investimento?

Juros, inflação e outras variáveis: Entenda como descomplicar o mundo dos investimentos

Colunistas