nsc
hora_de_sc

Estética

Conheça os tipos de estrias e o melhor tratamento para cada um

Existem três tipos de estrias: as vermelhas ou arroxeadas, as brancas superficiais e estreitas, e as brancas profundas e largas; veja as diferenças

28/07/2021 - 10h21

Compartilhe

Redação
Por Redação Hora
O ganho de peso é um dos fatores que podem ocasionar as estrias
O ganho de peso é um dos fatores que podem ocasionar as estrias
(Foto: )

As estrias são lesões ocasionadas pelo rompimento de fibras elásticas e colágenas. Essas lesões acontecem quando há um estiramento repentino da pele. Entre as causas comuns estão a gravidez, o ganho de peso na obesidade, estirões de crescimento, efeitos colaterais de medicamentos, rápido aumento dos músculos devido à musculação, colocação de próteses de silicone, fator genético e alguns tipos de síndromes como Cushing, Marfan e Ehlers-Danlos.

> Acesse para receber notícias de Santa Catarina por WhatsApp

Existem três tipos de estrias, as vermelhas ou arroxeadas, as brancas superficiais e estreitas, e as brancas profundas e largas. As vermelhas ou arroxeadas são mais recentes e portanto as mais fáceis de tratar, pois ainda há sangue circulando no local e o tecido não foi totalmente prejudicado. Com o tempo as linhas vão perdendo a tonalidade até se tornarem esbranquiçadas. Quando isso ocorre, o tratamento precisa ser mais intenso, provocando uma agressão maior na pele para estimular a produção de colágeno e elastina, que farão a cicatrização interna das estrias. Quando as estrias são largas e profundas, são necessários métodos mais invasivos para estimular o preenchimentos das estrias de dentro para fora.

Conheça os tratamentos para as estrias

Laser fracionado

Feixes de luz são direcionados para a estria e penetram na pele estimulando a produção de colágeno e elastina, o que vai acelerar o processo de cicatrização. Em uma sessão pode ocorrer a melhora de até 30% das estrias, enquanto o tratamento completo melhora até 80%. É indicado para estrias brancas superficiais e estreitas.

Subcisão

É um método cirúrgico ambulatorial que utiliza uma agulha com ponta cortante para deslocar a derme profunda, provocando um trauma que estimula a produção de colágeno e recuperação parcial da estria, reduzindo sua largura e profundidade. Os resultados são visíveis após 30 a 60 dias, que é o tempo que o colágeno demora para se regenerar. É indicado para estrias brancas largas e profundas.

Microagulhamento

Esse tratamento promove microfuros causados por agulhas finas, que facilitam a permeação de cremes e medicamentos, e tem como objetivo induzir a produção de colágeno através de microlesões, gerando um processo inflamatório. Ocorre uma melhora de até 80% na textura e coloração da pele. É indicado para estrias vermelhas ou arroxeadas e também para estrias brancas superficiais e estreitas.

Um cuidado importante para evitar as estrias é controlar o ganho de peso, evitando que a pele sofra grandes distensões. Cremes e óleos hidratantes são muito utilizados, embora não haja evidência científica de correlação com a prevenção de estrias. No caso de adolescentes, o ideal é consultar um dermatologista, para um bom diagnóstico, e assim realizar melhor conduta para cada caso e idade.

Alguns tratamentos mais invasivos como, lasers, peelings mais profundos e alguns tipos microagulhamentos devem ser feitos apenas por médicos, pois somente eles têm habilitação para esses procedimentos.

* Por Lidiane Amaral

Leia também

Dicas de cuidados com a pele durante o inverno

O que causa as espinhas internas e qual a melhor maneira de eliminá-las?

Saiba como ter uma pele mais saudável

Unhas fracas ou quebradiças: entenda as causas

Colunistas