nsc
santa

Tragédia

Criança que prendeu a cabeça em grade de janela morre em Itajaí

Menino tinha três anos e foi descrito por professoras como "calmo e bem educado"

17/04/2021 - 14h53 - Atualizada em: 17/04/2021 - 15h02

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
foto mostra ambulância dos bombeiros
Corpo de Bombeiros foi acionado por trabalhadores de uma obra que viram o menino preso à grade
(Foto: )

Morreu a criança de três anos que prendeu a cabeça na grade da janela de casa em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina. O menino Miguel Vinicius dos Santos teve uma parada cardiorrespiratória no dia do acidente, na terça-feira (13), e estava internado no Hospital Pequeno Anjo. A morte ocorreu na sexta-feira (16) e foi confirmada por meio de nota da Prefeitura de Itajaí. 

> Bar avisa e clientes fingem seguir protocolos com chegada da fiscalização

> Receba todas as notícias do Vale do Itajaí no seu WhatsApp. Clique aqui.

O acidente aconteceu por volta das 8h30min. Pessoas que estavam em uma construção em frente à residência viram a situação e acionaram o Corpo de Bombeiros. Depois avisaram o responsável pelo menino e ajudaram a retirá-lo do meio das grades. 

Em nota, a prefeitura afirma que o Município de Itajaí, através da Secretaria de Educação, manifesta "o mais profundo pesar pelo falecimento do menino e se solidariza com os familiares e amigos da criança neste momento de profunda dor". 

Miguel era aluno da Rede Municipal de Ensino: ele frequentava o Centro de Educação Infantil (CEI) César Martinho Ferreira, no bairro Fazenda, desde 2017. Atualmente, estava na turma do Jardim I. 

As professoras o descreveram como uma criança bem calma, amorosa e educada. O velório do menino está sendo realizado no cemitério da Fazenda e o sepultamento será às 17 horas deste sábado (17). 

Leia também

> Pai mata a própria filha e tenta assassinar mais quatro familiares em Rodeio

> Dr. Honesto volta a ser alvo de ladrão na BR-470: "olhou até o vencimento dos produtos"

> Assassinato de jovem choca a pacata cidade de Rodeio, no Médio Vale: "parece mentira"

Colunistas