nsc
dc

CRIME AO CONSUMIDOR

CTG no Sul de SC era usado como abatedouro clandestino de cavalo, gado e mula

Família e funcionários matavam os animais, tiravam a carne, moíam e vendiam

16/09/2021 - 15h27 - Atualizada em: 16/09/2021 - 16h38

Compartilhe

Maria Eduarda
Por Maria Eduarda Dalponte
Clarissa
Por Clarissa Battistella
Fundos do CTG era usado como matadouro
Fundos do CTG era usado como matadouro
(Foto: )

O CTG Herança do Velho Pai que foi alvo da "Operação Hefesto" em Morro da Fumaça, no Sul de Santa Catarina, servia como abatedouro clandestino de cavalos, gados e mulas. É o que afirma a Polícia Civil, após localizar mais de 520 quilos de carne sem procedência no local na manhã desta sexta-feira (16). 

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Uma área montada para sacrificar os animais ilegalmente também foi encontrada no mesmo endereço. 

Segundo o delegado Ulisses Gabriel, os suspeitos compravam para abater desde animais furtados por ladrões, a gados, cavalos e mulas machucados, velhos ou acidentados. 

Depois de matar, nos fundos do CTG, eles tiravam a carne, moíam e vendiam como própria para consumo. De acordo com o delegado do caso, essas práticas crimosas são comuns na cidade.

O objetivo da investigação, agora, é encontrar o destino das mercadorias. Além dos funcionários do local, como o açogueiro, uma família inteira estava envolvida no esquema. O pai, dono do CTG, e os dois filhos, participavam venda ilegal.

O local já foi utilizado para fazer "fritões de carro" (uma espécie de competição em que se acelera o veículo, fazendo sair fumaça dos pneus), mas ficou parado durante a pandemia. 

Vulcão que pode causar tsunami no Brasil entra em sinal de alerta depois de décadas adormecido

Investigações

A investigação começou devido ao aumento de furtos de gado na região. Segundo o delegado Ulisses Gabriel, esse tipo de crime - o furto de animais - é difícil de apurar e de solucionar, o levou a polícia a buscar outra estratégia.

A forma encontrada para localizar os criminosos, então, foi começar a procurar pelos receptores, como os envolvidos no abate no CTG do Bairro Frasson, no Morro da Fumaça, que começou ser investigada desde maio de 2021.  

Estrutura encontrada nos fundos do CTG era utilizada para o abate dos animais
Estrutura encontrada nos fundos do CTG era utilizada para o abate dos animais
(Foto: )

O que diz a lei

Vender esse tipo de carne não é ilegal. Para abater animais e trabalhar com esse tipo de atividade, porém, é preciso ter uma série de autorizações, como a da Cidasc, por exemplo. Assim, os suspeitos serão enquadrados em crimes contra as relações de consumo.

Segundo a Lei 8137/90, é crime " vender, ter em depósito para vender ou expor à venda ou, de qualquer forma, entregar matéria-prima ou mercadoria, em condições impróprias ao consumo". A pena varia entre 2 e 5 anos. Os suspeitos também serão investigados por associação criminosa.

Loja que vendia carne de cavalo como se fosse de boi é fechada em SC e dono acaba preso

O que diz a defesa do CTG?

Procurada pela reportagem, a defesa dos envolvidos disse, por meio de nota, que considera prematuro fazer qualquer juízo quanto às acusações, "principalmente porque não há laudos definitivos que atestem com certeza que carne equina fora apreendida no local". Também salientou que é "imprescindível que se aguarde a conclusão das investigações e, sobretudo, o julgamento definitivo pela justiça".

Os advogados Jefferson Monteiro e Aline Rech Becker, ainda afirmaram que "farta documentação será apresentada ao Poder Judiciário para comprovar a origem e legalidade da carne bovina apreendida".

Leia também

PF mira grupo que usou barcos para tráfico internacional em SC

Operação apura venda de carne de cavalo para consumo em SC

Quem são os artistas e os famosos que morreram de Covid-19

Colunistas