nsc
hora_de_sc

POVOS ORIGINÁRIOS

De Paolla Oliveira a Alok: veja os famosos que se manifestam contra marco temporal

Tese prevê que índios só podem reivindicar demarcação de terras ocupadas antes da Constituição de 1988

23/06/2022 - 12h09 - Atualizada em: 23/06/2022 - 12h47

Compartilhe

Flávia
Por Flávia Terres
Manifestantes se reúnem em São Paulo pedindo o retorno da pauta ao STF
Manifestantes se reúnem em São Paulo pedindo o retorno da pauta ao STF
(Foto: )

Um "tuitaço" promovido por entidades, ONGs e defensores dos direitos indígenas teve participação de personalidades famosas no Twitter. Nomes como Alok, Paolla Oliveira, Mateus Solano e Felipe Andreoli se manifestaram contra o "marco temporal", que estava marcado para ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (23). 

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O "marco temporal" começou a ser julgado pelo STF em agosto de 2021 e prevê que os índios só podem reivindicar a demarcação de terras caso já estivessem nelas antes da data de promulgação da Constituição de 1988. 

A votação foi interrompida em setembro de 2021 após o ministro Alexandre de Moraes pedir mais tempo para analisar o caso. No dia 2 de junho deste ano, o ministro e presidente do STF, Luiz Fux, decidiu retirar a pauta que daria continuidade ao julgamento. 

Até o momento, dois ministros votaram, Edson Fachin, que votou contra o marco temporal e o ministro Nunes Marques, que votou a favor. 

#MarcoTemporalNão

Pelo Twitter as hashtags #MarcoTemporalNão e #JustiçaParaBrunoeDom começaram a ser usadas pelos internautas desde as 10h pedindo que a pauta volte a ser julgada e que o Supremo vote contra a medida. "Pedimos que o STF diga NÃO a esse atentado contra o direito dos povos originários de existirem em território brasileiro", escreveu Alok. 

A atriz Paolla Oliveira reforçou o pedido de que o assunto volte para a pauta e que o STF vote contra o marco temporal. 

"A história dos povos originários não começa em 1988!", mencionou o ator Mateus Solano em uma das publicações. 

O jornalista e apresentador Felipe Andreoli reforçou o pedido de que o Supremo vote contra o "atentado contra o direito dos povos originários". 

Na manhã desta quinta, defensores e índios se reuniram no Parque Ibirapuera, em São Paulo, contra o marco temporal e pedindo justiça para Dom e Bruno, encontrados mortos na última semana. 

Greenpeace abre petição contra 

A ONG Greenpeace abriu uma petição contra o marco temporal e alega que a "ideia é inconstitucional, uma vez que desrespeita a decisão da sociedade brasileira que reconheceu aos povos indígenas os direitos originários sobre os territórios que ocupam sem qualquer menção a datas ou períodos de tempos específicos". 

Até a publicação desta matéria a petição estava com mais de 75 mil assinaturas. 

A discussão do marco temporal coloca ruralistas e povos originários em lados opostos. O governo Bolsonaro é favorável à tese. 

Leia mais:

Juíza que impediu aborto em menina é engajada em adoção

Vacinação contra Covid-19 é suspensa em São José

ICMS menor não é suficiente para baixar o leite no Estado 

Colunistas