nsc
dc

Crise no mercado financeiro

Dolár dispara e atinge R$ 5,67 após Guedes pedir licença para furar teto de gastos

Bovespa ultrapassa 2% de queda; o dólar turismo chega a R$ 6,20 em lojas de câmbio

21/10/2021 - 13h04 - Atualizada em: 21/10/2021 - 13h06

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
O dólar disparou nesta quinta-feira (21)
O dólar disparou nesta quinta-feira (21)
(Foto: )

O dólar está em alta nesta quinta-feira (21). A disparada no valor da moeda aconteceu depois que o ministro da economia, Paulo Guedes, confirmou o Auxílio Brasil e pediu licença para furar o teto dos gastos - regra que limita o crescimento das despesas públicas - a fim de financiar o benefício. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

> Substituto do Bolsa Família, Auxílio Brasil vai pagar R$ 400, confirma Bolsonaro

A maior cotação do dia chegou em R$ 5,67, no início da manhã. As 13h, desta quinta, a moeda norte-americana, era vendida a R$ 5,64. O dólar turismo chegou a R$ 5,86; já nas casas de câmbio, o valor atinge mais de R$ 6,20 nas compras da moeda em cartão pré-pago. A Bovespa ultrapassa 2% de queda. 

Na última terça-feira (19), os rumores das intenções do governo Bolsonaro de pagar o Auxílio fora do teto de gastos, já tinham causado problemas no mercado financeiro - queda da bolsa, elevação de juros e desvalorização do real. Na quarta-feira (20), o dólar fechou a R$ 5,55. 

> Bolsonaro diz que valor de novas parcelas do auxílio emergencial já está decidido

> Auxílio Brasil: valores, quem pode receber, modalidades e tudo sobre o benefício

Guedes afirmou que o governo quer ser popular, não populista, e que a decisão de furar o teto é apenas política.

Como funciona o teto de gastos

O teto de gastos está em vigor desde 2016 e não permite o aumento de despesas governamentais acima da inflação do ano anterior, com o objetivo reduzir o endividamento público. O teto é visto como âncora fiscal do Brasil. 

Por que a crise do Brasil assusta?

O Brasil é um país com grande endividamento para uma economia emergente. A situação, em 2020, piorou e o país perdeu investimentos feitos pelas principais agências de classificação de risco. 

> Saque do auxílio emergencial 2021 está disponível para nascidos em novembro e dezembro

O Brasil tem gastado mais do que arrecada em impostos, desde 2014. Com a pandemia, a situação se agravou e foi necessário uma discussão urgente para medidas de ajustes fiscais. 

*Com informações do G1.

Leia também

Relatório retira acusações de genocídio contra Bolsonaro

Estado deixa de receber R$ 1,3 bilhão com adiamento do ICMS

Bolsonaro diz que não tomará a vacina contra a Covid-19: "Para quê?"

Colunistas