nsc
dc

Entrevista

"Estão tentando me arrastar por opinião de terceiros", diz Daniela Reinehr sobre nazismo e holocausto

Governadora de SC está sendo cobrada por associações israelitas por uma posição sobre o nazismo

29/10/2020 - 10h31 - Atualizada em: 29/10/2020 - 13h57

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
Upiara
Por Upiara Boschi
Na terça-feira (27), na coletiva de posse no cargo, Daniela foi questionada sobre o nazismo, mas evitou responder.
Na terça-feira (27), na coletiva de posse no cargo, Daniela foi questionada sobre o nazismo, mas evitou responder.
(Foto: )

A falta de posicionamento contundente contra a posição do pai sobre nazismo já rende fortes críticas a Daniela Reinehr. Com apenas dois dias no cargo, a governadora de SC falou aos colunistas da NSC, Ânderson Silva e Upiara Boschi, sobre o histórico negacionista do Holocausto do próprio pai, Altair Reinehr. Foram quatro questionamentos em relação ao tema. A entrevista completa será publicada na edição impressa do DC do fim de semana.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

Leia o que disse Daniela sobre o holocausto nazista e o negacionismo do nazismo pelo pai:

Associações israelitas estão cobrando um posicionamento da senhora sobre essa questão do holocausto e a posição do seu pai. A senhora tem um posicionamento especificamente a essa questão do holocausto?

Eu vejo de uma forma muito clara, estou sendo de novo atacada por ato ou um opinião que não é minha. Eu fui muito clara ontem (terça-feira) na entrevista quando disse que sou a favor da liberdade, dos direitos das pessoas, da democracia. Tenho um filho especial, sempre batalhei por isso. Eu nunca falei nenhuma frase nesse sentido. Eu não posso ser julgada por opinião de terceiros, estão tentando me arrastar por opinião de terceiros e isso não existe. É realmente uma tentativa para me atacar. Eu sempre tive um comportamento muito respeitoso com as pessoas. Qualquer regime, qualquer conduta, que vá contra esses preceitos eu repudio.

Para deixar claro: a senhora acredita que o holocausto nazista existiu?

O que a gente vê nos livros é isso, a história que a gente lê.

E repudia o nazismo?

Estão tentando que eu faça uma briga pública familiar diante de uma atitude que eu nunca omiti. Desafio qualquer um que seja a provar que eu tenha feito qualquer coisa nesse sentido ou tenha dito qualquer palavra nesse sentido. Quero ser avaliado pelo que eu faço. Essa é uma briga em que não vou entrar, não vou aceitar esse tipo de provocação de pessoas que estão querendo me atacar. De novo estão querendo me levar de arrasto por uma coisa que não tem nada a ver comigo ou com as condutas que tenho até aqui.

> Renato Igor: Daniela precisa negar absurdos ditos pelo pai

A senhora imaginou que seu primeiro dia de governo seria marcado por um debate sobre holocausto e nazismo?

Não houve debate, até porque eu nunca entrei nesse tipo de debate. Eu simplesmente respeito as pessoas, respeito o que aconteceu. Nunca entrei nesse tipo de situação e não é hoje que vou entrar. Eu peço que as pessoas me avaliem pelo que eu faço. Eu não vou entrar nesse tipo de discussão porque jamais tomei qualquer tipo de posicionamento nesse sentido de negar a história e de atacar pessoas. Eu sou uma figura pública hoje, mas preciso que respeitem também minhas relações familiares, independente das divergências de pensamento. Eu preciso respeitar meu pai, é um mandamento de Deus também. Eu sou mãe também. Estão me colocando em uma dicotomia: honrar pai e mãe e me manifestar a respeito de algo que jamais manifestei contrário. Jamais me manifestei contra qualquer fato histórico e nem faltei com respeito a ninguém. Peço que me respeitem neste momento.

Leia mais:

O cenário político indica que Daniela Reinehr deve ir com calma

Os recados na primeira fala oficial de Daniela como governadora de SC

Foi dada a largada para a ‘operação salva Moisés’ na Assembleia Legislativa

Colunistas