nsc
an

Investigação

Ex-secretário morto em Major Vieira estava sendo vigiado por suspeitos, diz polícia

Lezan foi morto com pelo menos três tiros à queima-roupa; dois homens foram presos

15/06/2022 - 10h31 - Atualizada em: 15/06/2022 - 10h50

Compartilhe

Sabrina
Por Sabrina Quariniri
Lezan estava na saída de um ginásio de esportes quando foi baleado
Lezan estava na saída de um ginásio de esportes quando foi baleado
(Foto: )

O ex-secretário de Obras de Major Vieira morto em frente a um ginásio de esportes no Centro d a cidade estava sendo vigiado há dois dias pelos suspeitos, de acordo com a Polícia Civil. Sérgio Roberto Lezan tinha 56 anos e foi atingido com pelo menos três disparos à queima-roupa por volta do meio-dia de terça-feira (14). 

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

​Segundo o delegado Eduardo Borges, que investiga o caso, testemunhas disseram que dois homens em uma motocicleta rondavam as proximidades do local onde aconteceu o crime desde a manhã de segunda-feira (13) e ficavam parados observando a vítima em um ponto que fica de 20 a 30 metros do ginásio, onde Lezan trabalhava como secretário de esportes.  

Ainda conforme o investigador, os homens fizeram o mesmo esquema dois dias seguidos. Na segunda-feira, próximo do horário do meio-dia, eles deixaram o local para depois retornarem, já que há uma creche na região e a rua fica mais movimentada neste horário. 

— Mas as testemunhas não conseguem reconhecê-los porque, mesmo esperando aquele período todo, um deles estava com capacete, e o outro usava capuz e máscara — explica o delegado. 

No dia seguinte, os suspeitos surpreenderam Lezan quando ele saía do ginásio e dispararam pelo menos três vezes. Os criminosos fugiram do local, mas foram presos durante a noite de terça-feira no interior da cidade de Papanduva, no Planalto Norte de SC.

Investigação

No mesmo dia em que ocorreu o crime, a polícia já começou a ouvir testemunhas e conseguiu identificar os suspeitos. Durante as buscas, os policiais descobriram que a moto utilizada no crime havia sido comprada no sábado (11) pela manhã por meio de uma publicação no Facebook e utilizaram o anúncio para chegar aos criminosos. 

Um deles foi preso em casa, o outro, saindo do mesmo endereço, em Papanduva. 

> Viatura falsa e armas: assaltantes que se disfarçavam de policiais são presos no Norte de SC

Segundo o delegado Borges, Lezan era muito ativo na comunidade e desempenhava um "forte papel na política". Além de secretário municipal, Lezan já foi diretor de Esportes e era primeiro suplente do partido Republicanos na Câmara de Vereadores. Antes da vida dedicada à política, atuava na Polícia Militar e estava na reserva. 

Ao lado do prefeito Adilson Lisczkovski, ele teria feito o relato que originou a Operação Conta Zerada, deflagrada pelo Ministério Público em setembro. Na época, a operação acabou com a prisão de duas pessoas que, segundo o MP, teriam desviado R$ 200 mil dos cofres públicos.

Apesar deste indício, de acordo com o investigador, há várias outras possibilidades de motivação para este homicídio. 

— Não conseguimos excluir e nem confirmar que [a morte] está relacionada a operação — frisa Borges. 

Leia também

Adolescente que teve rosto queimado por vela em bar de Joinville apresenta melhora

Servidor público é suspeito de furtar itens de pronto-socorro, bombeiros e Samu de Itapoá

Mulher é feita refém por três horas e usa botão do pânico para chamar PM em Joinville

Colunistas