A explosão de casos de dengue em Joinville fez com que o Hospital Bethesda atingisse lotação nas unidades de pronto-socorro e enfermaria. O comunicado foi feito em nota oficial da instituição de saúde na segunda-feira (12).

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

A orientação é de que a população procure o local apenas em caso de urgência ou emergência e, para as demais queixas, que se busque as unidades básicas de saúde mais próximas de casa.

Dengue em SC passou de caso raro para epidemia e emergência em saúde em uma década

“Tal sobrecarga nesse serviço acarreta demora no tempo para atendimento médico, visto que as prioridades e casos mais graves são atendidos primeiro. Na certeza da compreensão da comunidade, o Hospital Bethesda informa que trabalhará incessantemente para vencer mais esse desafio”, diz a publicação.

Continua depois da publicidade

Conforme dados do painel da dengue da prefeitura, Joinville tem 982 casos confirmados e quatro mortes em decorrência da doença neste 2024. Os bairros com mais moradores infectados são Saguaçu, com 152 positivados, seguido de Aventureiro (136), Boa Vista (63) e Iririú (63).

Cidade com mais mortes em 2023

No ano passado, Joinville chegou a ser a cidade do Brasil que mais registrou mortes por dengue. Conforme o painel de dados da prefeitura, foram registrados 36 óbitos e mais de 30 mil casos em 2023, o que fez com que o município, que já vivia uma epidemia da doença, atingisse um número histórico.

Para este ano, Joinville anunciou planos para combater a dengue. As ações envolvem visitas nas casas, conscientização nas escolas e um método criado na Austrália, o Wolbachia, uma técnica que consiste na liberação de mosquitos machos que não picam nem transmitem doenças para o acasalamento. Devido à uma alteração genética dos mosquitos liberados, as descendentes fêmeas não chegam à vida adulta, reduzindo as chances de transmissão para as futuras gerações.

Situação é alarmante em todo Estado

A curva de casos de dengue vem aumentando em todo Estado desde o começo de 2024. Em 23 de janeiro, SC tinha 4.043 casos prováveis da doença, 910% a mais do que o mesmo período de 2023, quando eram 400 casos prováveis. Já no dia 29, eram 5.897 casos prováveis, um aumento de 646,5% em relação ao ano passado, quando eram 790 casos prováveis no mesmo período.

Continua depois da publicidade

SC fica de fora da primeira remessa de vacinas contra a dengue

Além disso, Santa Catarina já tem confirmados cinco óbitos por dengue em 2024 – quatro em Joinville e um em Araquari, cidades do Norte catarinense. Já são 8.710 casos prováveis da doença, um aumento de 611% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o estado tinha 1.225 casos prováveis de dengue.

Prevenção

A melhor maneira de prevenção às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, Zika e chikungunya) continua sendo eliminar locais com água parada:

  • Evite que a água da chuva fique depositada e acumulada em recipientes como pneus, tampas de garrafas, latas e copos;
  • Não acumule materiais descartáveis desnecessários e sem uso em terrenos baldios e pátios;
  • Trate adequadamente a piscina com cloro. Se ela não estiver em uso, esvazie-a completamente sem deixar poças de água;
  • Manter lagos e tanques limpos ou criar peixes que se alimentem de larvas;
  • Lave com escova e sabão as vasilhas de água e comida de seus animais de estimação pelo menos uma vez por semana;
  • Coloque areia nos pratinhos de plantas e remova duas vezes na semana a água acumulada em folhas de plantas;
  • Mantenha as lixeiras tampadas, não acumule lixo/entulhos e guarde os pneus em lugar seco e coberto.

Leia também

Briga de casal termina com casa quebrada e incendiada em Balneário Piçarras

Passageira fica com cacos de vidro no corpo após janela de ônibus quebrar em Joinville

Filha de motociclista morto em Joinville lamenta morte do pai: “Fazia tudo para nos ver feliz”

Destaques do NSC Total