nsc
hora_de_sc

Presencial e virtual

Festival de cinema LGBTQIA+ chega à terceira edição em Florianópolis

Mais de 60 filmes compõem a programação gratuita da III Transforma – Festival de Cinema da Diversidade de Santa Catarina, que vai de 14 a 18 de dezembro

07/12/2021 - 15h31

Compartilhe

Marina
Por Marina Martini Lopes
Transforma – Festival de Cinema da Diversidade de Santa Catarina
Em sua terceira edição, o festival oferecerá uma série de ações gratuitas em modelo híbrido
(Foto: )

Vitrine nacional para divulgação e fomento de conteúdos audiovisuais LGBTQIA+, a Transforma - Festival de Cinema da Diversidade de Santa Catarina está em contagem regressiva para sua terceira edição: o evento, único do segmento em atividade no sul do Brasil, acontece em Florianópolis, na Sala Gilberto Gerlach, no CIC (Centro Integrado de Cultura), de 14 a 18 de dezembro. A Transforma ganhou notoriedade por abordar temáticas relacionadas às discussões sobre a diversidade sexual, de gênero e da cultura LGBTQIA+.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

- Eu penso na Transforma como uma importante ferramenta de reparação social - celebra Lirous K'yo Fonseca Ávila, uma das organizadoras do festival. - Há alguns anos víamos muitas travestis e pessoas transexuais que nunca haviam estado dentro de uma sala de cinema. Hoje, vemos elas nos palcos da Transforma apresentando um festival de cinema, nas poltronas assistindo, sendo homenageadas e recebendo prêmios em diversas categorias.

Em sua terceira edição, o festival oferecerá uma série de ações gratuitas em modelo híbrido (presencial e virtual), exibindo mais de 60 filmes originários de diferentes regiões do Brasil; além de painéis temáticos, oficinas formativas e shows nacionais. Um dos destaques fica por conta da Mostra Competitiva, que vai apresentar filmes realizados em formato curta-metragem, com até 25 minutos; nas categorias de ficção, documentário e experimental.

- A terceira edição da Transforma busca retratar a diversidade e a pluralidade presentes no Brasil - diz Thomas Dadam, responsável pela programação. - Essas obras carregam as particularidades do que é ser LGBTQIA+ num país de proporções continentais. Para nós, idealizadores e produtores do festival, essa é uma grande conquista, pois entendemos que o evento, hoje, é uma importante janela do cinema brasileiro, atingindo realizadores de norte a sul do país.

> Não-binarismo e linguagem neutra chamam atenção e provocam debate

A organização respeitará as determinações sanitárias vigentes para criar um ambiente seguro, com a exigência do uso de máscaras e do comprovante de vacinação contra a Covid-19 (duas doses).

Troféu Unicórnio de Ouro

Uma das novidades da edição 2021 é a entrega do troféu Unicórnio de Ouro, que será outorgado aos vencedores das 22 categoria sem disputa, com destaque para: Filme (Júri Técnico e Voto Popular), Documentário (Júri Técnico e Voto Popular), Atriz, Ator, Roteiro, Direção, Direção de Arte, Direção de Fotografia, Direção de Som, Trilha Sonora, Olhar Transformador (Ficção e Documentário), BAPHO Cultural (relativo à arte e cultura LGBTIA+), ADEH (diversidade sexual e defesa dos direitos humanos) e Afronte (filme que combate preconceitos sociais ou estruturas políticas dominantes).

Em sua terceira edição, o festival oferecerá uma série de ações gratuitas em modelo híbrido
Em sua terceira edição, o festival oferecerá uma série de ações gratuitas em modelo híbrido
(Foto: )

Transforma Itinerante

O roteiro de atrações do festival contemplará também outras cidades, com ações virtuais especiais em Chapecó, Lages, Criciúma, Blumenau e Joinville.

> O que significa LGBTQIA+?

- A ideia da mostra itinerante é apresentar os filmes que foram premiados no evento, criar intercâmbio e formar novas pessoas que possam articular essa produção cultural LGBTQIA+ para além de Florianópolis - destaca Arthur Gomes, um dos idealizadores do projeto.

Leia também:

> Como Marília Mendonça e outros ídolos encorajam o rompimento de barreiras sociais

> Banda catarinense No One Spoke participa de tributo nacional ao Led Zeppelin

> Bora pro filme: uma nova visão de Rocky IV

Colunistas