nsc
dc

Balneário Gaivota

Funcionário demitido é morto após invadir casa de ex-chefe e fazer família refém por 10 horas no Sul de SC

Segundo a Polícia Civil, ele liberou duas filhas do ex-patrão ao longo da manhã e o filho durante a tarde; esposa foi a última a sair

05/07/2021 - 10h48 - Atualizada em: 05/07/2021 - 20h09

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Fernanda
Por Fernanda Mueller
Clarissa
Por Clarissa Battistella
Sequestro acontece no bairro Jardim Ultramar, em Balneário Gaivota
Sequestro ocorre no bairro Jardim Ultramar, em Balneário Gaivota
(Foto: )

Quase 10 horas depois de ter a casa invadida por um homem de 28 anos em Balneário Gaivota, no Sul de SC, uma mulher de 36 anos, a última de quatro reféns, foi liberada pelo sequestrador por volta das 17h desta segunda-feira (5). A vítima saiu da casa, ao encontro dos três filhos e do marido, sem ferimentos. O autor do sequestro, ex-funcionário do dono da casa invadida, foi baleado e morto após investir contra os policias com uma faca. As informações são da Polícia Civil.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Responsável pelo caso, o delegado Luiz Otavio Pohlman relatou ao Diário Catarinense que o suspeito atacou os policiais depois que a vítima já tinha sido liberada e no momento em que foi dado início ao trabalho de rendição do sequestrador: 

- Os policiais fizeram uso de armas não letais, com granadas de efeito moral, som e luz, e neste interim (o autor) investiu com a faca contra os agentes públicos. Então os policiais desferiram disparos de arma de fogo, os quais o atingiram - explica. 

​O sequestrador invadiu a casa do ex-patrão por volta das 7h30min desta segunda e fez refém, com uso de uma faca, a esposa e os três filhos do homem. A ação teria sido motivada por uma demissão. 

Conforme as informações da Polícia Civil, o ex-patrão é dono de uma empresa de construção civil e o homem de 28 anos trabalhava como seu funcionário, mas foi demitido. O empresário, principal alvo da ação criminosa, não estava no local no momento da invasão.

Ainda pela manhã, com o passar das horas, o sequestrador começou as liberações. A primeira vítima a ser solta foi uma criança de quatro anos. Logo depois foi liberada a outra filha, de 15. Durante a tarde, o filho mais velho do casal, de 16 anos, saiu da casa.

Mensagem para familiares do RS

Depois que os três filhos do ex-patrão estavam a salvo, e cerca de 9h depois de iniciar a ação, o sequestrador pediu para falar com uma jornalista, meio que encontrou para mandar uma mensagem aos seus familiares que moram em Alvorada, no Rio Grande do Sul. 

Saiba o que escreveu Lázaro Barbosa na carta ensanguentada achada no seu bolso

- Foi oportunizado conversar com uma jornalista em comum acordo com a negociação e o acusado. É um procedimento que faz parte das negociações - disse o delegado Luiz Otavio Pohlman.

Na mensagem enviada, através de uma rádio local, o homem teria pedido desculpas aos familiares e às vítimas, inclusive ao ex-patrão. 

Ladrão é pego em flagrante e morto com tiro de espingarda ao furtar fios de energia em Chapecó

Legítima defesa

A Polícia Militar e a Polícia Civil atuaram no local, que fica no bairro Itapuã. Os tiros foram disparados contra o suspeito, ainda de acordo com o delegado Pohlman, em legítima defesa. Um inquérito policial será aberto para apurar as circunstâncias do caso. 

- Resta bem evidente que ele foi alvejado em legítima defesa. Os policiais agiram em legítima defesa própria no momento dos disparos, então o inquérito será instaurado. 

Peritos do IGP foram acionados para os levantamentos. O total de tiros disparados contra o sequestrador não foi informado pela polícia. A polícia também busca informações do RS sobre os antecedentes do autor do sequestro. Ainda não há confirmação sobre as passagens policiais, mas ele teria registros em Alvorada.

Leia também 

Jovens ficam presos em ilha de Balneário Camboriú após usarem colchão inflável como barco

Pés expostos em tubulação revelam corpo de pessoa morta carbonizada em Xanxerê

Trabalhador morre ao ficar preso em máquina de tear no Vale do Itajaí

Colunistas