nsc
    santa

    Investigação

    Grupo que vendia carne vencida em churrascaria de Itajaí é denunciado por furto, receptação e venda de armas

    Nove pessoas teriam participado do esquema; processo tramita em sigilo

    25/03/2021 - 11h49 - Atualizada em: 25/03/2021 - 14h20

    Compartilhe

    Catarina
    Por Catarina Duarte
    A carne vencida era comercializada em uma churrascaria de Itajaí
    A carne vencida era comercializada em uma churrascaria de Itajaí
    (Foto: )

    Perto de completar dois meses da deflagração da operação que descobriu um esquema de venda de carne vencida em Itajaí, nove pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público (MPSC). Entre os crimes apontados estão furto, receptação, formação de organização criminosa e comércio ilegal de armas. O processo tramita com sigilo na Justiça.

    > Receba todas as notícias do Santa no seu WhatsApp. Clique aqui

    A Operação El Patron foi deflagrada pela Polícia Civil no dia 29 de janeiro. Segundo a investigação, o esquema incluía funcionários de uma empresa responsável pelo descarte de carnes vencidas e os donos de uma churrascaria.

    A denúncia foi apresentada pelo MPSC no dia 22 de fevereiro. Na data dois suspeitos estavam presos preventivamente no Presídio de Itajaí. Eles seguem na prisão.

    Os cinco funcionários trabalhavam na coleta das carnes com prazo de validade vencido em diversos supermercados do município. O produto seria processado e transformado em matéria-prima de biodiesel e ração animal. Contudo, o grupo furtava parte dos produtos e vendia para os donos do estabelecimento.

    > Homem assassinado por uso de máscara deixou carreira militar para se dedicar ao mercado em Itapema

    Segundo o delegado Osnei Oliveira, o crime de furto qualificado foi atribuído aos funcionários da empresa. Contudo, os donos do local não tiveram participação no caso.

    — Os donos não tinham participação. Inclusive as informações iniciais de suspeita partiram deles. A empresa tinha alguns funcionários envolvidos nessas práticas criminosas, mas os proprietários da empresa não participavam — contou Oliveira.

    > SC descarta restrições no turismo para feriado antecipado de SP e RJ

    Segundo a denúncia do Ministério Público, os responsáveis pela churrascaria sabiam da procedência do produto e mesmo assim vendiam aos clientes. Essa compra, que tinha valor menor do que o preço de mercado do produto, aconteceu diversas vezes, conforme apontou o MPSC. O grupo foi denunciado pela prática de crime contra a relação de consumo.

    As investigações apontaram ainda que dois funcionários e um dos donos da churrascaria faziam a comercialização de armas de fogo, acessórios e munição. Os três foram denunciados por comércio ilegal.

    Leia mais:

    Antônio Luis, ex-candidato a vereador de Joinville famoso por jingle, morre de Covid-19

    Mulher morre em frente à UPA Sul de Joinville

    Oito peixes de espécie em extinção são vistos em São Francisco do Sul em fenômeno raro; veja vídeo

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas