nsc
nsc

Mercado

Impactos na mobilidade urbana contribuem com aquecimento do setor automotivo em SC

O estado registrou crescimento de 15,5% nas vendas de seminovos e usados ao longo de 2021 e mercado deve se manter em alta

02/12/2021 - 13h49

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Setor automotivo apresenta dados positivos em Santa Catarina.
Setor automotivo apresenta dados positivos em Santa Catarina.
(Foto: )

De modo geral, 2021 foi um ano mais próspero para a indústria automotiva. A retomada gradativa no crescimento do setor, inclusive, já era prevista no final de 2020, quando o mercado começou a mostrar uma reação mais efetiva em relação à crise da covid-19. Estima-se que a produção de novos veículos chegue na casa dos 2 milhões, em um cenário que prevê um crescimento de 6% a 10% em relação ao ano anterior, segundo o relatório da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA).

Outro dado importante no contexto nacional, e que também reflete na retomada do setor, é o impacto da pandemia na mobilidade urbana. Uma pesquisa feita pela Moovit mostra que 36% das pessoas entrevistadas passaram a usar menos transporte público desde o início da pandemia. Além disso, pelo menos 10% passou a utilizar outros meios de transporte, como os carros individuais.

> O mercado já sabe: nenhum consumidor será como antes

Em Santa Catarina, o reaquecimento do setor também é uma realidade. Nos primeiros cinco meses de 2021, o Estado registrou crescimento de 20,29% no emplacamento de veículos, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores de Santa Catarina (Fenabrave-SC). Nesse cenário, o segmento de automóveis e comerciais leves acumulou uma alta de 11,71% nos emplacamentos no mesmo período observado.

Ainda que não seja o principal setor econômico do Estado, o mercado automotivo é hoje responsável por 4,8% da indústria catarinense, de acordo com dados atualizados do Observatório FIESC. Na classificação das unidades federativas, Santa Catarina ocupa a 5ª posição com mais exportação no setor automotivo. Além disso, é o 10º Estado em geração de empregos nesse mercado e o 14º em relação à produtividade.

E para 2022?

Mesmo com um crescimento tímido, o mercado automotivo segue com perspectivas positivas para os próximos anos. Durante a pandemia, vimos muitas empresas do setor se reinventarem por meio da tecnologia e da digitalização. Investimentos em tecnologias digitais e experiência do cliente foram ferramentas que ajudaram a aquecer o setor de seminovos.

E os números comprovam isso. Só no primeiro semestre deste ano, as vendas acumuladas de seminovos no Brasil tiveram um aumento de 62,3%, de acordo com relatório da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores (FENAUTO). Em Santa Catarina, o setor também apresentou crescimento positivo, com um aumento 15,5% nas vendas de seminovos e usados ao longo de 2021.

Além disso, a modalidade de vendas de carros pela web também apresentou expansão no primeiro semestre de 2021, com um crescimento de 33%. A expectativa é que esse segmento continue em curva positiva, consolidando-se como uma das principais tendências do setor automotivo a longo prazo.

Pensando no futuro

A grande aposta a longo prazo são os veículos elétricos. Além de práticos e mais econômicos, a popularização desse tipo de carro vai ajudar a reduzir consideravelmente a emissão de carbono. Hoje, o Brasil possui uma frota estimada de 60 mil carros movidos a energia, conforme aponta a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE). Dentro dessa estimativa, Santa Catarina é o 3º Estado que mais concentra vendas no segmento, representando, em 2020, um total de 6,6%.

Para os próximos anos, com o aumento de investimento e a maior conscientização das pessoas em relação à sustentabilidade, a perspectiva é que os carros elétricos sejam um futuro bastante promissor para a indústria automotiva.

Acesse o canal Top of Mind 2021 e saiba mais.

Leia também

Ativação de marca pós-pandemia deve ir além da vitrine de produtos

“Quando você foca no consumidor, você dificilmente erra”, afirma diretor de soluções da Globo

Colunistas