A cidade de Armação dos Búzios, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, está sendo monitorada após uma infestação do escorpião-amarelo, considerado o mais perigoso do Brasil. Segundo informações do Instituto Vital Brazil (IVB), só no começo deste mês, foram capturados cerca de 200 animais. Os escorpiões foram incorporados à criação do Laboratório de Artrópodes do instituto, sendo mantidos para pesquisa e extração de veneno. As informações são do Metrópoles.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Também neste mês, agentes do IVB deram treinamento teórico e prático à equipe da Prefeitura de Búzios, e foi criado um fluxo de envio dos escorpiões coletados ao instituto, orientações à população e identificação das áreas infestadas, mapeamento que continua a ser feito pelo município.

Rápida proliferação nos últimos quatro anos

De acordo com o biólogo e coordenador do Laboratório de Artrópodes do Instituto Vital Brazil, Claudio Maurício Vieira, a presença desses animais tem aumentado consideravelmente nos últimos cinco anos em áreas onde antes eram menos frequentes, principalmente na Região dos Lagos.

— Uma das estratégias essenciais que desenhamos para lidar com essa situação é o apoio teórico e prático às prefeituras para a identificação, prevenção e controle da proliferação de escorpiões. Isso inclui, por exemplo, a capacitação dos técnicos municipais de vigilância e agentes de saúde — disse ele ao portal g1.

Continua depois da publicidade

Um levantamento do instituto mostra o alto número de acidentes com escorpiões e aranhas no estado do Rio de Janeiro.

  • 2020 – 1.234 acidentes
  • 2021 – 1.219 acidentes
  • 2022 – 1.293 acidentes

Juntos, os acidentes com aranha e escorpião são os mais comuns no Estado, correspondendo a 58,2% dos registros com animais peçonhentos.

Em Búzios, não houve registro de ataques neste ano. Segundo o Instituto Vital Brazil, o último pico na cidade ocorreu em 2019, com 19 acidentes envolvendo escorpiões. O dado é do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) do Ministério da Saúde.

Áreas com maior incidência em Búzios

Conforme a Vigilância Ambiental de Búzios, o monitoramento na cidade está sendo intensificado com a realização de busca ativa. Foram identificados cinco bairros com a maior incidência: Centro, Ferradura, João Fernandes, São José e Rasa.

Continua depois da publicidade

O órgão esclareceu que não houve registro de ataque neste ano e nem caso do artrópode encontrado em residência, apenas em lotes e áreas com vegetação, menos povoadas. Mesmo assim, alerta sobre os cuidados para que a infestação não avance, principalmente, no verão.

A Vigilância alerta ainda que os escorpiões, conhecidos por se alimentarem de baratas e moscas, por exemplo, podem ser encontrados em áreas que atraem esses insetos.

“Evitar o acúmulo de lixo, manter as lixeiras fechadas adequadamente e a colaboração ativa de todos são ações essenciais para minimizar a presença desses animais em ambientes urbanos”, disse a Prefeitura, explicando ainda que vem orientando a população e divulgando informações também nos meios digitais oficiais do município.

Os mais perigosos do Brasil

Dos 182 escorpiões que estão presentes no Brasil, apenas quatro são perigosos. São eles: o escorpião-amarelo (T. serrulatus), o escorpião-amarelo-do-Nordeste (T. stigmurus), escorpião-marrom (T. bahiensis) e o escorpião-preto-da-Amazônia (T. obscurus).

Continua depois da publicidade

Esses artrópodes são carnívoros e da mesma classe das aranhas. Com uma glândula de veneno, são considerados animais peçonhentos, com condições naturais para injetá-lo em presas e predadores. O veneno é considerado neurotóxico, pois o efeito vai além do local da picada, podendo ser sentido em todo o corpo.

*Sob supervisão de Andréa da Luz

Leia também

Laboratório restringe vacina contra a dengue na rede privada; prioridade será a 2ª dose

“Explosão” de casos de dengue nas primeiras semanas de 2024 acende alerta em SC

O ciclo de vida do Aedes aegypti, mosquito da dengue, chikungunya e zika

Destaques do NSC Total