nsc
dc

Coronavírus

Joares Ponticelli critica ‘omissão’ de Moisés e diz que ‘prefeitos estão à deriva’ na pandemia

Prefeito de Tubarão fez críticas ao governador após decretar nova quarentena na cidade

16/07/2020 - 08h20 - Atualizada em: 16/07/2020 - 08h35

Compartilhe

Por Guilherme Simon
Joares Ponticelli
O prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli
(Foto: )

Um dia depois de decretar nova quarentena em Tubarão para tentar conter o avanço do coronavírus, o prefeito Joares Ponticelli (PP) subiu o tom nas críticas a Carlos Moisés (PSL). Em entrevista nesta quinta-feira (16) ao Bom Dia Santa Catarina, da NSC TV, Joares disse que o governador de Santa Catarina “está sendo omisso” e que “os prefeitos estão à deriva” no combate à pandemia.

> Carlos Moisés: “É a vez dos municípios assumirem responsabilidade como eu assumi”

— É lamentável essa omissão do governador de Santa Catarina. Até agora a nossa região está abandonada, por ele, logo ele, que construiu a sua carreira política aqui (...). Ele começou bem, preciso reconhecer, mas diante de todas as trapalhadas desse governo que não governa, infelizmente os prefeitos estão à deriva por um governo que desapareceu — criticou Joares.

O prefeito de Tubarão disse que o número de leitos de UTI habilitados pelo governo estadual na cidade é insuficiente para atender toda a região e voltou a afirmar que a promessa de ampliação de vagas no hospital de Laguna é aguardada “por quase cem dias”.

A fala do prefeito de Tubarão ocorre no dia seguinte ao decreto que estabeleceu nova quarentena na cidade do Sul catarinense. O município decidiu voltar a fechar comércio, shoppings centers, academias, salões de beleza, além de proibir a circulação de veículos do transporte coletivo, entre outras medidas que passam a valer nesta quinta e têm duração inicial de 9 dias.

Na entrevista à NSC TV, Joares destacou que a decisão foi necessária para “achatar a curva que cresce vertiginosamente”, em referência ao aumento de casos de Covid-19, e a consequente pressão ao sistema de saúde, que está no limite.

— Mesmo que milagrosamente o governo dobre a quantidade de leitos, se não tivermos a redução do contágio, em uma semana nós teremos o colapso (do sistema de saúde) novamente — declarou.

Joares também disse lamentar que prefeitos de outras cidades da Amurel (Associação de Municípios da Região de Laguna), que inicialmente tinham concordado em adotar a mesma quarentena, tenham recuado, e cobrou “solidariedade” das demais prefeituras, afirmando que é em Tubarão que os pacientes de toda a região procuram atendimento hospitalar.

Segundo a prefeitura, Tubarão tem 1.026 casos confirmados de Covid-19 e 21 mortes pela doença. O número difere do divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), que precisa validar os dados antes de inclui-los no boletim estadual. Conforme o Estado, são 788 casos e 6 mortes na cidade

A região da Amurel é uma das sete considerada em situação gravíssima por conta da pandemia pelo Governo do Estado. A classificação leva em conta o índice de isolamento social, a ampliação dos leitos de UTI, a testagem da população e o fluxo de atendimento.

Secretário de Saúde rebate críticas

Também em entrevista ao Bom Dia Santa Catarina, o secretário de Estado de Saúde, André Motta Ribeiro, comentou as críticas feitas por Ponticelli pouco antes. Motta afirmou que “não é verdade que exista omissão do Estado” e criticou o que chamou de “uso político”, sem citar diretamente o prefeito de Tubarão.

> SC registra mais 36 mortes por coronavírus, o número diário mais alto do Estado durante a pandemia

— Eu só lamento que nesse momento tão complicado algumas pessoas ainda continuam tentando insistir em utilizar isso politicamente. Nós estamos num momento grave, as pessoas têm que entender a importância de todos estamos unidos nesse enfrentamento. Não é verdade que exista omissão do Estado, muito pelo contrário — disse.

— A região de Tubarão, Araranguá, Criciúma, tem sido extremamente impactada pelo vírus, mas nós estamos dando apoio, sim. Infelizmente, apesar do apoio do Estado, alguns hospitais têm dificuldade de colocar estrutura, isso é inerente do momento — completou o secretário.

Colunistas