nsc
dc

Pandemia

Jornalista perde toda a família para a Covid-19 em oito dias

Súzan Benites sofreu com as mortes da mãe, do único irmão e do pai causadas pelo coronavírus

21/03/2021 - 14h48

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Súzan Benites sofreu com as mortes da mãe, do único irmão e do pai causadas pelo coronavírus
Súzan Benites (E) sofreu com as mortes da mãe, do único irmão e do pai causadas pelo coronavírus
(Foto: )

Em um intervalo de oito dias, Súzan Benites, 31 anos, viu toda a família morrer, vítima do coronavírus. Primeiro, a jornalista de Campo Grande (MS) perdeu a mãe, Roseneide Nara. Em seguida, morreu o único irmão, Rafael Benites. Na madrugada deste sábado (20), ela despediu-se do pai, Atanacildo Nara. O seu namorado, Bruno Nascimento, recebeu alta neste domingo (21) após 11 dias internado com a doença.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

"Este lar era feito de quatro colunas que sustentavam um teto. Em uma semana, três colunas foram arrancadas sem nenhum aviso prévio. Eu me pergunto: como uma única coluna vai sustentar este teto?", desabafou Súzan.

Em sua página no Facebook, a jornalista contou detalhes sobre a experiência: "Não existe lição, compreensão ou justificativa para um sofrimento tão grande. Há 15 dias, eu tinha um lar de muito amor, parceria, cumplicidade, planos, projetos, e hoje eu tenho nada. A única certeza que eu tenho é que fomos muito felizes juntos e seremos nós quatro para toda a eternidade".

Semanas antes, Benites já havia perdido um amigo e colega do jornal Correio do Estado, onde é subeditora. O repórter fotográfico Valdenir Rezende, 55, morreu em 28 de fevereiro. Deixou dois filhos, que seguem a profissão do pai -um deles trabalha no mesmo veículo.

> Painel do Coronavírus: veja em mapa e dados por cidade como está a situação da pandemia em SC

A morte de Rezende e o drama de Benites em meio ao pior momento da pandemia em Mato Grosso do Sul vêm comovendo os jornalistas, que sofrem com hostilidades e insultos durante a cobertura da epidemia.

Na quinta-feira (18), a repórter da TV Morena (afiliada da Rede Globo) Luana Rodrigues gravava diante do Hospital Regional, em Campo Brande, quando uma mulher se aproximou da equipe, fez o sinal da cruz e disse: "Deus me livre desse povo que só fala de Covid".

> Grupo faz oração em hospital de Blumenau com vítimas da Covid; veja vídeo

"A gente fala e vai continuar falando", disse Rodrigues, na reportagem. "O hospital está lotado. São 120 vagas para pacientes com Covid-19 e já estão todas ocupadas. Eles tiveram de improvisar leitos. O hospital não tem profissionais em número suficiente para atender os pacientes porque parte deles está afastada por causa da Covid. Temos mais de 3.700 mortes aqui no estado, quase 200 mil casos e 31 mortes só hoje."

Em seguida, do estúdio, a apresentadora Bruna Mendes, com a voz embargada e em lágrimas, perguntou sobre a falta de leitos do hospital ao secretário de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende.

"É uma corrida frenética, e infelizmente a gente tem de suportar esse tipo de agressão", respondeu Resende. "Acredito que haja pessoas com apagão cerebral. Quem faz agressão à equipe de TV, qualquer que seja a emissora, é realmente porque acabou a empatia."

Leia também:

> SC tem todas as regiões em risco gravíssimo para coronavírus pela quarta semana seguida

> Mãe entubada após ter trigêmeos deixa UTI-Covid e conhece os filhos em SC

> Festa com 30 participantes é encerrada pela polícia no Oeste de SC

> Casos de Covid assustam moradores do Quilombo Vidal Ramos, em Florianópolis

Colunistas