nsc
dc

POLÍTICA X MEDICINA

Ludhmila Hajjar, médica cotada para assumir o Ministério da Saúde, nega convite de Bolsonaro

Cardiologista defende a vacinação em massa e o isolamento social e é contra qualquer tipo de tratamento precoce

15/03/2021 - 12h55

Compartilhe

Maria Eduarda
Por Maria Eduarda Dalponte
 Ludhmila Hajjar é professora da USP e se especializou na Covid-19
Ludhmila Hajjar é professora da USP e se especializou na Covid-19
(Foto: )

A médica cardiologista Ludhmila Hajjar negou oficialmente o convite de Bolsonaro para comandar o Ministério da Saúde. A jornalista da Globo Andréia Sadi publicou em seu blog a confirmação da recusa feita em reunião com o presidente no Palácio do Planalto na manhã desta segunda-feira (15).

> Técnicos da Saúde vão decidir sobre lockdown em SC por 14 dias, diz Justiça

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

No domingo (14), Hajjar teve um encontro com Bolsonaro pela primeira vez no Palácio da Alvorada para tratar sobre o cargo de ministra. O atual chefe da Saúde, Eduardo Pazuello, também estava na reunião.

A jornalista Mônica Bergamo publicou em sua coluna na Folha de S. Paulo a informação de que, no encontro de domingo, o presidente e a médica discordaram sobre a necessidade de isolamento social, da vacinação em massa de brasileiros e do tratamento precoce.

Hajjar estuda, desde o início da pandemia, a Covid-19 e defende a necessidade de vacinação urgente. A cardiologista também apoia fortemente o isolamento social e participou de estudos que desmentiram a eficácia de alguns medicamentos, como a cloroquina.

Esta é a segunda vez que a médica e professora da USP é cotada para assumir o Ministério da Saúde. Antes da entrada de Nelson Teich, seu nome estava entre as opções de Bolsonaro. Quando parlamentares, inclusive Pazuello, estavam com Covid-19, a médica os atendeu e entrou no radar dos políticos de Brasília.

Após divergências no encontro de domingo, políticos pediram à Hajjar para que ela aceitasse o convite, mas a médica optou por não ser ministra de um governo que defende o uso da cloroquina para tratar a Covid. 

Dessa vez, Arthur Lira, o presidente da Câmara dos Deputados, apoiou o nome de Hajjar e publicou em sua conta do Twitter: "Coloquei os atributos necessários p/ o bom desempenho à frente da pandemia: capacidade técnica e de diálogo político com os inúmeros entes federativos e instâncias técnicas. São exatamente as qualidades que enxergo na doutora Ludhmila".

> Pedido de lockdown em SC usou informação do New York Times

Após o encontro da cardiologista com o Bolsonaro, uma live da médica com Dilma Roussef foi recuperada e postada nas redes sociais. Além disso, Bolsonaro recebeu um áudio em que é chamado de psicopata por uma mulher, que supostamente seria Hajjar.

Outros nomes

Pazuello ainda não saiu do cargo e afirma que não está doente e nem foi convidado a se retirar do comando do Ministério da Saúde. Enquanto isso, os números da Covid-19 estão em seu pior patamar desde março de 2020 e o poder Executivo busca novos nomes para ocupar o cargo. 

> Pazuello visita Chapecó sem anúncios contra colapso na saúde e critica busca de municípios por vacina

Os dois mais cotados são Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, que defende Bolsonaro, e o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ), que é médico ortopedista e é cotado para comandar o MS.

*Com supervisão de Raquel Vieira

Leia também

Homem pendurado em caminhão relata: 'Ele dizia que eu ia morrer'

Pai vê filha de dois meses pela 1ª vez após internação em UTI

Professora de 24 anos morre por complicações da Covid no Oeste

Colunistas