Imagine sofrer descaso, preconceito, ter de lutar diariamente por direitos, acessibilidade, políticas públicas, atendimentos em hospitais, escolas, além dos mais diversos desafios que as pessoas com deficiências ocultas passam diariamente. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville pelo WhatsApp 

Este é o caso de Vania Schimerski, 49 anos, mãe atípica, pessoa com deficiência, conselheira municipal da ONDA AutismoS (Organização Neurodiversa pelos Direitos dos Autistas), e mãe de Aron Schimerski, 20, bombeiro civil, que é uma pessoa autista. 

AN 100 anos

Em Joinville, os dois estão na luta pelo projeto de lei “Cordão de Girassol”, que busca conscientizar a população sobre o uso da fita com desenhos de girassol como símbolo de identificação das pessoas com deficiências ocultas ou não aparentes – aquelas que podem não ser percebidas de imediato, como surdez, autismo, deficiências cognitivas, entre outras. 

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

De acordo com ela, a defesa é por também ser uma mulher com deficiência, e também contra as barreiras impostas pela falta de inclusão e acessibilidade.

— A luta e defesa é por todos nós que precisamos de políticas públicas, de inclusão e acessibilidade. Sou uma mulher com deficiência oculta, quando as pessoas olham para mim, não conseguem ver, perceber, que tenho deficiência — disse.

Vania Schimerski e Aron Schimerski lutam pelo projeto de lei “Cordão de Girassol” (Foto: Arquivo Pessoal)

De acordo com ela, o cordão de girassol pode auxiliar no atendimento e no entendimento de outras pessoas em lugares públicos e privados, em diversas situações. Ainda, destaca que a luta contra o preconceito deve ser combatida todos os dias em todos os lugares, e que o cordão vem para ajudar.

— Eu sou mãe e mulher autista. É constante a nossa luta de mães e pais para o respeito com nossos filhos, que são julgados e rotulados por terem uma deficiência. Também lutamos contra o capacitismo, os julgamentos e a falta de respeito de quem não conhece o autismo ou de quem conhece e faz comparações, piadas, e acha que autismo é moda — relata.

Continua depois da publicidade

— O uso do cordão não é obrigatório, é opcional, ele ajuda a dar visibilidade para quem precisa e tem o direito de usá-lo. O uso correto do cordão pode, inclusive, auxiliar os serviços de emergência, urgência, polícia, no caso de pessoas que podem precisar de ajuda e não conseguem comunicar-se claramente com esses serviços, caso estejam sozinhos pelos mais diferentes motivos — completa Vania.

Mães defendem o projeto e pedem políticas de inclusão

Para Andressa Foliatti, mãe de Manu e Alice, que têm três e nove anos respectivamente, e possuem deficiências ocultas, o uso do cordão de girassol resulta em casos positivos na vida das filhas.

— Eu acredito que pode ajudar muito a não ter constrangimento. Foi uma crescente, vi em passeios, que começamos a usar, encontrei outras crianças também, e depois da Lei (federal) percebo que outras mães também estão se familiarizando — disse.

Além disso, ela ressalta que o preconceito ainda existe e é sentido pela família.

— Muitas pessoas não respeitam, olham torto. Eu sou firme, estou na Lei e não abro mão dos direitos delas. Eu como mãe sou uma fortaleza e não me abalo, sigo firme. Acredito que quanto mais falarmos mais teremos nossos direitos de verdade — relatou.

Continua depois da publicidade

A iniciativa Cordão de Girassol em Joinville

Em Joinville, a iniciativa Cordão de Girassol é um projeto de lei que trata do uso do cordão de girassol e do cordão do autismo. O projeto é de autoria dos vereadores Tânia Larson (União Brasil) e Alisson Julio (Novo).

De acordo com a vereadora Tânia Larson, a iniciativa surge como uma ferramenta valiosa para a inclusão social, conscientização e fortalecimento do senso de comunidade.

— É importante porque, através da identificação dos portadores do Cordão de Girassol, os estabelecimentos podem implementar serviços personalizados que garantam tratamento diferenciado e imediato. Ele reforça o compromisso da cidade em reconhecer e valorizar todas as pessoas, independentemente de suas diferenças, contribuindo para uma Joinville mais acolhedora e solidária — afirma.

Cordão é feito em tom verde e possui desenhos de girassóis (Foto: Divulgação)

Para o vereador Alisson, também autor do projeto, a proposta busca aumentar a conscientização sobre as diferentes condições que afetam os cidadãos e fomentar um ambiente de inclusão e respeito em Joinville.

Continua depois da publicidade

— Dar visibilidade para deficiências que não são identificáveis e contribuir para um atendimento mais adequado para as necessidades específicas dessas pessoas. O cordão facilita muito o acesso a diversos serviços que essas pessoas usam no dia-a-dia — disse.

— A existência da lei, além de ter cunho didático, ajudando a população a se conscientizar sobre essas condições não aparentes, também permite ao poder público tomar iniciativas que venham a contribuir para a melhoria da qualidade de vida e gerando oportunidades para essas pessoas — completa.

A flor simboliza a felicidade, diz especialista

O projeto de Lei também é tema para os profissionais da saúde. De acordo com Josiane Antequeira, psicóloga especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), o uso do cordão de girassol ajuda na autoestima, favorece a inclusão, e permite que outras pessoas ofereçam apoio e compreensão. 

— Isso reduz o sentimento de isolamento de muitas famílias, aumenta a educação e conscientiza a sociedade sobre as condições, proporcionando acesso a serviços públicos e privados de forma rápida. Uma pessoa com uma deficiência oculta precisa de mais apoio substancial nos atendimentos — disse.

Continua depois da publicidade

Para ela, o cordão traz a atenção das pessoas e pode abrir conversas sobre o assunto, aumentando assim a compreensão da população.

— Com o aumento da conscientização do tema, se sentem menos julgadas. Também traz maior segurança no olhar em caso de acidentes que o atendimento será prioritário, adequado e compreendido. A identificação para pessoas não verbais em caso de se perder da família — explica.

Governo federal oficializou em julho o uso da fita com desenhos de girassóis como símbolo de identificação (Foto: Roberto Suguino/Agência Senado)

Questionada, ela explica os motivos do girassol ser usado como símbolo no cordão.

— A flor simboliza a felicidade. Parece estranho quando estamos falando de doenças ou condições como o TEA, mas ela também representa a força e vitalidade, pois nasce bem pequena e vai se abrindo, e revelando toda a beleza e brilho, pois ela pode crescer em qualquer lugar mesmo em condições com adversidades — afirma.

Continua depois da publicidade

— É uma perfeita metáfora para as pessoas que enfrentam tantos desafios e ainda assim são capazes de encontrar formas de se desenvolver e superar os obstáculos. Como a flor, se voltam para a luz, para a esperança — ressalta a psicóloga.

Política que “floresce” direitos e acessibilidade

Em julho, o governo federal oficializou a lei do uso da fita com desenhos de girassóis como símbolo de identificação das pessoas com deficiências ocultas ou não aparentes. 

Cordão de girassol é oficializado como símbolo para deficiências invisíveis; entenda

Originalmente, a fita com desenhos de girassóis surgiu como símbolo para deficiências ocultas em vários países e em outros municípios brasileiros. 

O projeto foi apresentado pelo deputado Capitão Alberto Neto (PL-AM) e sancionada por Geraldo Alckmin (PSB), na função de presidente, enquanto Lula (PT) cumpria agenda internacional. A lei federal já está valendo, porém, a municipal ainda precisa ser sancionada pelo prefeito de Joinville, Adriano Silva (Novo), para passar a valer.

Continua depois da publicidade

Assim como a lei federal, em Joinville o uso do cordão será opcional e o exercício dos direitos da pessoa com deficiência não estará condicionado ao acessório. O símbolo também não substitui a apresentação de documento comprobatório de deficiência quando solicitado por atendentes ou autoridades competentes.

O diferencial da lei municipal é também o reconhecimento do cordão do autismo como símbolo do quebra-cabeça ou do infinito, já criados e usados para representar as pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Pulseira com o símbolo do quebra-cabeça, já usado para representar pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) (Foto: Arquivo Pessoal)

— Esses cordões e pulseiras não são acessórios de moda ou para compor um visual. Muitas pessoas usam (o cordão de girassol) por já ter a lei federal, o diferencial da lei aqui em Joinville é reconhecer também o cordão do autismo e a pulseira — explica Vania.

— Estes cordões vêm para nos ajudar, dar apoio e mostrar que existimos e nossas vidas importam. É por todos nós que lutamos diariamente por direitos, por inclusão, acessibilidade, políticas públicas, pelos atendimentos no SUS para pessoas com deficiência e seus cuidadores — finaliza.

Em caso de necessidade do uso do cordão de girassol, as pessoas podem adquirir de forma on-line, ou através da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Joinville (APAE), de acordo com o vereador Alisson. 

*Sob supervisão de Lucas Paraizo

Leia também

Nova lei permite que autistas levem a própria merenda em escolas de cidade de SC

Ídolo do JEC Futsal recebe proposta de saída e pode deixar o clube: “Interesse da Rússia”

VÍDEO: Esquilo serelepe entra em casa e dribla biólogo durante resgate em SC

Destaques do NSC Total