Enquanto o solo em Maceió segue afundando em ritmo acelerado, o Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA-AL) autuou, nesta terça (5), a Braskem em mais de R$ 72 milhões por omissão de informações, danos ambientais e pelo risco de colapso e desabamento da mina 18, na região do Mutange. As informações são da Agência Brasil.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Desde 2018, quando foram registrados os primeiros tremores no solo, a Braskem já foi autuada 20 vezes pelo instituto. O IMA-AL informou que a primeira multa, no valor de R$ 70.274.316,34, foi aplicada devido à degradação ambiental decorrente de atividades que, direta ou indiretamente, afetam a segurança e o bem-estar da população, “gerando condições desfavoráveis para as atividades sociais e econômicas”.

Um estudo do IMA-AL já havia constatado dano ambiental na região da mina 18. A nova ocorrência de colapso da mina, verificada in loco, foi caracterizada como reincidência.

“Além dessa autuação, a Braskem vai responder também pela omissão de informações sobre a obstrução da cavidade da mina 18, detectada no dia 07/11/2023, quando a empresa realizou o exame de sonar prévio para o início do seu preenchimento, em desconformidade com a Licença de Operação n° 2023.18011352030.Exp.Lon. A multa é de R$ 2.027.143,92”, informou o instituto.

Continua depois da publicidade

Imagens da tragédia em Maceió

Afundamento acelerando

Enquanto isso, o solo sobre a mina 18 segue afundando em ritmo acelerado. Em boletim divulgado na manhã desta terça-feira, a Defesa Civil informou que a velocidade vertical era de 0,27 centímetros por hora. Ontem (4), esse valor era de 0,26.

Com isso, o deslocamento vertical acumulado da mina é de 1,86 metros, apresentando um movimento de 6,5 centímetros nas últimas 24 horas. A Defesa Civil informou que segue em alerta máximo devido ao risco iminente de colapso da mina.

“Por precaução, a recomendação é clara: a população não deve transitar na área desocupada até uma nova atualização da Defesa Civil, enquanto medidas de controle e monitoramento são aplicadas para reduzir o perigo”, diz o boletim.

Continua depois da publicidade

Leia também

O que é sal-gema e por que sua extração em mina de Maceió está afundando o solo

O que será dos pescadores de Maceió com a proibição de embarcações na Lagoa Mundaú?

Em 72 horas, mina em Maceió afunda quase 2 metros: “cratera do tamanho do Maracanã”

Cidade do nordeste brasileiro está afundando? Risco de cratera força evacuação de hospital

Destaques do NSC Total