A mina da Braskem em Maceió, Alagoas, já cedeu 1,87 metro entre os dias 28 e 30 de novembro. No local era feita a extração do minério sal-gema. O desabamento da mina pode abrir uma cratera do tamanho do estádio do Maracanã. As informações são do g1.

Continua depois da publicidade

A Defesa Civil da capital alagoana informou que a mina está cedendo a uma velocidade de 62 centímetros por dia.

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

O problema veio à tona em 2018, quando começaram a aparecer as primeiras rachaduras em casas e ruas. Desde então, 14 mil imóveis foram desocupados em cinco bairros da cidade, afetando 55 mil pessoas. A mina 18, uma das 35 da Braskem, fica no bairro do Mutange.

O bairro já havia sido evacuado completamente desde que o problema começou. Bairros vizinhos (Bom Parto, Bebedouro e Pinheiro) também foram evacuados, mas não completamente. Mesmo que algumas famílias continuassem ali, muitos saíram voluntariamente. Um hospital também transferiu todos os pacientes.

Continua depois da publicidade

Quem se recusou a sair dos imóveis nos arredores do bairro afetado foi obrigado a fazê-lo, mediante ordem judicial. A realocação já era um pedido da população há anos, mas só foi feita recentemente, depois que a Justiça interveio.

VÍDEO: Asfalto cede e abre cratera em rodovia no Oeste de SC

A Defesa Civil reforçou que até o tráfego de embarcações na Lagoa Mundaú, onde parte das minas está localizada, deve ser evitado, assim como transitar na área no entorno das minas.

Segundo o órgão de defesa, quando houver o desabamento, tanto a água da lagoa quanto terra e detritos serão escoados para dentro da cratera. Esse fenômeno tornaria a água da lagoa salgada e toda a área de mangue na região seria impactada “de forma bastante trágica”.

Continua depois da publicidade

Moradores são evacuados às pressas

A marisqueira Marivânia dos Santos Venâncio contou ao g1 que a maneira que os moradores estão sendo retirados de suas residências, às pressas e sem preparo, não é o que eles esperavam.

— Eles falaram que a gente tinha de sair de qualquer jeito. E aí chegaram lá com dois ônibus, situação foi essa que gerou lá uma confusão, porque muitos não aceitaram, porque a gente já vive indignada há muitos anos, muitos meses e anos, e aí eles chegaram do nada, pra retirar todo mundo — afirma.

Os moradores vêm pedindo a inclusão no Mapa de Risco da Defesa Civil, que garante que as famílias sejam realocadas e indica a necessidade de desocupação das áreas afetadas. Somente quem foi incluído no mapa tem direito à indenização paga pela Braskem.

VÍDEO: Em 11 minutos, dois caminhões evitam acidentes na área de escape entre SC e PR

— De imediato a gente fica assim, não sabe o que vai fazer. Pra gente que é trabalhador é só tirar o necessário. Vamos tirar uma geladeira, um fogão e é isso? E o que eu construí fica pra trás? Assim, a gente queria que nos preparassem — diz o barbeiro Alex Leite. Ele conta que está angustiado, porque não sabe o que vai acontecer com a casa que construiu, nem onde vai morar.

Continua depois da publicidade

A Braskem, empresa que faz a mineração, informou que continua monitorando a situação da mina 18 e que “continua tomando todas as medidas cabíveis para minimização do impacto de possíveis ocorrências” e segue colaborando com as autoridades competentes.

Leia mais

Cidade do nordeste brasileiro está afundando? Risco de cratera força evacuação de hospital

Maceió tem risco de colapso imediato após solo se movimentar um metro em 48 horas

As cidades que já afundaram ou desapareceram na história do mundo

Destaques do NSC Total