A mineração do sal-gema está por trás do afundamento do solo observado em cinco bairros de Maceió. Uma das minas da petroquímica Braskem está cedendo a uma velocidade de 62 centímetros por dia, conforme informou a Defesa Civil da capital alagoana. Há risco de surgimento de uma imensa cratera na região.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

O sal-gema nada mais é que o cloreto de sódio, a mesma substância do sal de cozinha. A diferença é que o sal que usamos na comida é extraído do mar, enquanto o sal-gema é encontrado em jazidas subterrâneas, formadas há milhares de anos a partir da evaporação de porções do oceano.

Por existir em quantidades maiores, o sal-gema é empregado principalmente na indústria química, na produção de soda cáustica e policloreto de vinila. A extração em Maceió começou em 1976 para a produção de dicloroetano. Na época, a Braskem se chamava Salgema Indústrias Químicas S/A.

Tragédia da Braskem em Maceió cria bairros fantasmas e ruas inteiras “desaparecem”

Continua depois da publicidade

Conforme a empresa, o sistema de extração era o seguinte: um poço era cavado e injetava água na camada de sal, gerando uma salmoura. Esta solução era retirada das minas para a superfície, enquanto os poços cavados eram preenchidos com material líquido para conceder uma espécie de estabilidade ao solo. No caso das minas da Braskem, houve um vazamento de líquido, trazendo instabilidade.

VÍDEO: Em 11 minutos, dois caminhões evitam acidentes na área de escape entre SC e PR

O professor de Geologia da UFSC, João Carlos Rocha Gré, compara o espaço subterrâneo deixado pelas minas com um “formigueiro”.

— A linha subterrânea vai formando um espaço vazio: se cava um poço e a partir daí vão sendo feitas galerias. Depois passa o maquinário. Com o tempo, vai se adensando o espaço vazio.

Continua depois da publicidade

Normalmente, a extração de sal-gema é feita considerando um estudo sobre a possibilidade de haver construções na superfície. O peso da urbanização causa o abatimento do solo, como explica o professor:

— Os prédios têm um peso. Muitas vezes, a espessura do solo não aguenta e se abate.

Na visão dele, o crescimento urbano desde que as minas foram construídas pode ter influenciado no desastre. Ao todo, existem 35 minas na área urbana da cidade de Maceió, que funcionaram até 2019.

As cidades que já afundaram ou desapareceram na história do mundo

Linha do tempo

O problema das minas em Maceió veio à tona em 2018, quando começaram a aparecer as primeiras rachaduras em casas e ruas. Desde então, 14 mil imóveis foram desocupados em cinco bairros da cidade, afetando 55 mil pessoas.

O bairro Mutange, onde fica a mina em risco de colapso, já havia sido evacuado completamente desde que o problema começou. Bairros vizinhos (Bom Parto, Bebedouro e Pinheiro) também foram evacuados, mas não completamente. Mesmo que algumas famílias continuassem ali, muitos saíram voluntariamente. Um hospital também transferiu todos os pacientes.

Continua depois da publicidade

A Braskem informou que continua monitorando a situação da mina e que “continua tomando todas as medidas cabíveis para minimização do impacto de possíveis ocorrências” e segue colaborando com as autoridades competentes.

Leia também

VÍDEO: Asfalto cede e abre cratera em rodovia no Oeste de SC

Cidade do nordeste brasileiro está afundando? Risco de cratera força evacuação de hospital

Maceió tem risco de colapso imediato após solo se movimentar um metro em 48 horas

Em 72 horas, mina em Maceió afunda quase 2 metros: “cratera do tamanho do Maracanã”

Destaques do NSC Total