A Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive) emitiu um alerta de risco de leptospirose em cidades que estão sofrendo com enchentes e alagamentos devido à chuva forte que atinge Santa Catarina desde sábado (26). A leptospirose é uma doença que costuma ter um número maior de casos após estes fenômenos.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Trata-se de uma bactéria que se prolifera na urina contaminada de animais, principalmente ratos. Ela penetra no corpo a partir de machucados ou, quando a pessoa fica muito tempo na água, pode também ultrapassar as camadas sadias da pele.

Pessoas que tiveram contato com as águas e lamas das enchentes devem ficar atentas aos principais sintomas da leptospirose: febre, dor de cabeça e dores no corpo, principalmente nas panturrilhas, que podem surgir até 40 dias após o contato com a água contaminada. Sintomas como icterícia, que é o aspecto amarelado da pele, com ou sem sangramentos, também podem aparecer, em casos mais graves. Caso perceba algum destes sintomas, o recomendado é procurar uma unidade de saúde.

–– É fundamental que a pessoa informe ao médico se teve contato com a água ou com a lama –– destaca o diretor da Dive/SC, João Augusto Brancher Fuck.

Continua depois da publicidade

Risco de contaminação por leptospirose aumenta em períodos de chuva

A contaminação por leptospirose pode ocorrer em qualquer época do ano. Porém, os casos de em Santa Catarina costumam ser sazonais, aumentando entre dezembro e março, como consequência do regime mensal de chuvas.

Segundo a Dive, SC teve 153 casos confirmados em 2021, sendo que 10 deles foram de vítimas fatais da doença.  Em 2022, já foram notificados 131 casos da doença, com o registro de 11 óbitos. Os mais afetas pela doença costumam ser homens, entre 30 e 60 anos.

Confirmada a primeira morte por leptospirose em 2011 em Joinville

Além da atenção aos sintomas, moradores de áreas alagadas devem ter cuidado com animais peçonhentos, principalmente no momento em que a água começa a diminuir nas ruas. Caso sejam picadas ou mordidas, as vítimas devem procurar atendimento médico nas unidades de saúde mais próximas. A referência para este tipo de atendimento é  Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina (CIATox/SC), com funcionamento 24 horas, segundo a Dive.

–– Quando ocorrem chuvas ou alagamentos, esses animais saem das suas tocas, entram nas casas e são responsáveis também por acidentes graves, principalmente acidentes com cobras, escorpiões e aranhas. Então quando forem fazer a limpeza da casa após alagamentos, as pessoas também tem que usar proteção individual, principalmente bota e luvas –– recomenda Regina Valim, médica infectologista da Dive/SC.

Continua depois da publicidade

Leia também

Chuvas deixam ao menos 800 desabrigados em cidades da Grande Florianópolis

SC vai decretar situação de emergência por conta das chuvas

Sobrevivente de deslizamento na BR-376 grava vídeo em caminhão soterrado: “Tô vivo”

Destaques do NSC Total