nsc
santa

Coronavírus

Morte de menino de 9 anos por coronavírus em SC comove familiares: “Vá alegrar o céu, Davi”

Davi estava em tratamento para a leucemia quando contraiu o vírus

07/01/2021 - 07h06 - Atualizada em: 07/01/2021 - 16h45

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Davi morreu no dia 31 de dezembro por complicações da covid-19
Davi morreu no dia 31 de dezembro por complicações da covid-19
(Foto: )

Davi Novaes Stehl, 9 anos, morreu no último dia de 2020. Morador de Mirim Doce, no Alto Vale do Itajaí, ele não resistiu a complicações causadas pelo coronavírus. Seis meses antes, o menino descobriu que tinha leucemia.

A morte de Davi se soma às outras sete de crianças de até 9 anos vítimas da Covid-19 em Santa Catarina. Até esta quarta-feira (6), o Estado registrou 5.482 mortes e 506.897 casos de coronavírus.

Em Mirim Doce, além de Davi, a doença vitimou um homem de 42 anos em julho do ano passado. São 101 infectados entre os 2 mil habitantes. 

> Com meio milhão de infectados, SC precisa estabelecer quantas vidas ainda pode salvar

A pequena cidade, que tem a agricultura como motor econômico, foi o lugar onde Davi explorou a independência. Sozinho, fazia tarefas de gente grande com maestria. Ia ao supermercado, cortava o cabelo no barbeiro local e enchia os pneus da bicicleta no posto de gasolina. O menino com sede de aventura era conhecido por toda a cidade.

— Não tinha como não se apaixonar — descreve a mãe dele, Edilaine Novaes.

O primogênito de Edilaine tinha também gosto por invenções. Além dos brinquedos convencionais, o menino de 9 anos era dono de um facão e um serrote. Com os itens, construía suas próprias ferramentas. 

Davi e a mãe Edilaine
Davi e a mãe Edilaine
(Foto: )

Tudo foi muito rápido após Davi adoecer. No fim de junho, lembra Edilaine, ele teve dor de cabeça e vômito, algo que num primeiro momento foi tratado com um problema estomacal. Sem que os sintomas passassem, foi feito um exame que descobriu o câncer no sangue.

> Infográfico mostra como o coronavírus age no corpo humano

> O vírus está nas roupas, nos sapatos, no cabelo ou no jornal?

O tratamento começou nos primeiros dias de julho em Blumenau. A mudança de endereço não teve grandes preparativos. Edilaine partiu para o município distante 148 quilômetro de casa apenas com uma muda de roupa. Aos poucos a família foi se adaptando a nova cidade.

A família não sabe como Davi contraiu o coronavírus. Além dele, apenas a avó materna e o avô paterno foram infectados pelo vírus. O menino teve uma bacteremia dias depois de uma sessão de quimioterapia. Já debilitado, ele apresentou pneumonia e foi diagnósticado com Covid-19.

Durante os meses de internações no hospital, Edilaine passou a compartilhar as atualizações sobre a saúde de Davi nas redes sociais. Uma corrente de solidariedade se formou e o menino recebia todos os dias mensagens de carinho e apoio.

> Painel do Coronavírus: veja todos os dados sobre a pandemia em SC

Após a partida dele, as mensagens não cessaram. Uma enfermeira que acompanhou o menino durante a internação lembrou das brincadeiras com o menino: “Um dia vai me ganhar no jogo de varetas e me ensinar a fazer origâmis!”.

Outra postagem lembrava do menino ainda na primeira infância. No vídeo, Davi aparecia tocando notas improvisadas na gaita de brinquedo. A felicidade do menino nas imagens era o pedido de outra amiga ao menino. “Vá alegrar o céu, Davi!!”.

Leia também:

Santa Catarina tem 63 novas mortes pelo coronavírus e número de casos ativos volta a subir

SC terá que escolher entre aglomeração no Carnaval ou volta às aulas com segurança

Mulher com Covid-19 fura isolamento e causa confusão em órgão público de Itajaí

Santa Catarina passou de exemplo para vergonha nacional no combate ao coronavírus

Colunistas