nsc
hora_de_sc

Meio ambiente

Morte de peixes na Lagoa da Conceição preocupa moradores de Florianópolis; pesca e banho são suspensos

Contato com a água deve ser evitado por banhistas e moradores da região

25/02/2021 - 16h41 - Atualizada em: 25/02/2021 - 17h11

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Peixes mortos na Lagoa da Conceição ligam alerta para poluição
Peixes mortos na Lagoa da Conceição ligam alerta para poluição
(Foto: )

Além do mau cheiro sentido há aproximadamente uma semana na Lagoa da Conceição, em Florianópolis, centenas de peixes, crustáceos e moluscos também apareceram mortos na região entre a última terça-feira (23) e esta quinta (25). A situação preocupou moradores e impossibilitou a pesca, o banho e o próprio turismo no local.

> Garopaba só vai liberar a entrada de turistas com teste negativo para Covid

Pescador e morador da Costa da Lagoa, Diogo Laureano conta que a coloração da água mudou há cerca de 15 dias. Desde então, 180 pescadores e suas famílias, além de 14 restaurantes da região, tiveram suas rendas comprometidas pela suposta poluição.

- Todo mundo depende da Lagoa. Tudo gira em torno da Lagoa: restaurantes, barcos, pesca. Inviabiliza tudo - reclama.

Intrigados com a situação nunca vista antes, pescadores gravaram uma série de vídeos em diferentes pontos da Lagoa e horários. As imagens mostram centenas de peixes mortos às margens da água, na região norte da Lagoa. As gravações também flagram os animais marinhos se debatendo, enquanto tentam sobreviver (assista logo abaixo).

> Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

- Já não se enxergava nada para pescar, o cheiro de esgoto é muito forte e esses peixes mortos agora. Ninguém (dos pescadores) tem coragem nem de pôr a rede na água - enfatiza Laureano.

No mesmo dia em que as espécies marinhas começaram a aparecer mortas, os moradores enviaram denúncias à Polícia Militar Ambiental (PMA), que foi até a região acompanhada dos demais órgãos responsáveis pela fiscalização, entre eles, Instituto do Meio Ambiente (IMA) e Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram). Um funcionário da Casan também acompanhou a fiscalização.

> O que está proibido ou com restrições parciais nos próximos 15 dias em SC; entenda o decreto

Antes mesmo do resultado dos exames, a Floram e o Ima emitiram comunicado onde recomendam que "seja evitado o contato com água - banho e atividades de lazer - bem como o consumo dos pescados na área delimitada: do norte da Ponta das Almas (a oeste) e do final da Rua dos Coroas (veja abaixo) e demais áreas onde for observada a presença de animais mortos até que as condições tenham se normalizado". 

O que dizem os órgãos de fiscalização

A Polícia Ambiental informou à reportagem do Hora de SC que realiza o monitoramento da área, enquanto aguarda os resultados das análises feitas na Lagoa pelos órgãos responsáveis.

Também procurado, o Instituto do Meio Ambiente disse, através de nota, que investiga as causas e a dimensão do impacto do problema constatada no norte da Lagoa da Conceição, na Praia do Saquinho e no entorno do Parque Estadual do Rio Vermelho.

Segundo o IMA, vistorias aquáticas, aéreas e coletas laboratoriais de água e efluentes onde houve a incidência de organismos mortos foram realizadas de terça a quinta-feira para que se possa “chegar a conclusão do que causou o acidente ambiental, identificar as causas e os responsáveis e cessar o problema”.

Já a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), responsável pela lagoa de efluentes que rompeu e inundou ruas e casas próximo a Avenida das Rendeiras há exato um mês, respondeu que “não tem ligação com a mortandade e que técnicos têm vistoriado diariamente a região desde que vídeos começaram a surgir em grupos de WhatsApp”.

> Rompimento de lagoa em Florianópolis pode ameaçar animais e plantas, diz pesquisador

Disse ainda, por meio de nota, que “verificou as plenas condições das redes, do emissário terrestre e da Estação de Tratamento da Barra da Lagoa”, que chegou a gerar desconfiança dos moradores, como possível responsável pelo ocorrido.

Leia mais

>Lagoa da Conceição: "Nenhum técnico previu o risco de rompimento", diz engenheiro

>Entenda o que causou a inundação de ruas e casas na Lagoa da Conceição em Florianópolis

Colunistas