nsc
an

Luto

"Era um anjo", diz mãe de paciente do médico Marco Aurélio Gamborgi, do Centrinho de Joinville

Marco Aurélio Gamborgi foi responsável por mais de 10 mil cirurgias em crianças com fissuras labiopalatais

08/12/2020 - 13h09 - Atualizada em: 08/12/2020 - 15h59

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Vanessa e Vinícius ao lado do médico Marco Aurélio Gamborgi
Vanessa e Vinícius ao lado do médico Marco Aurélio Gamborgi
(Foto: )

A morte do cirurgião plástico Marco Aurélio Gamborgi causou tristeza em pacientes, familiares e funcionários do Centrinho Prefeito Luiz Gomes, de Joinville, onde o médico realizou parte das cerca de 10 mil cirurgias em fissuras labiopalatais durante a carreira. Ele tinha 57 anos e morreu na última sexta-feira (4), em decorrência de complicações da Covid-19.

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

Muitas pessoas fizeram homenagens ao profissional nas redes sociais e também recordaram os bons momentos compartilhados ao lado do médico. A bancária Vanessa Corrêa da Silva, 39 anos, conheceu o cirurgião há cerca de oito anos, quando realizou a primeira cirurgia no filho Vinícius, no Centrinho de Joinville.

– A cirurgia dele era uma perfeição, quase um milagre. Meu filho tem uma vida normal, perfeita, sem nenhuma sequela na fala e isso tudo devemos à técnica perfeita do doutor Marco Aurélio e da equipe – conta.

Além da técnica, Vanessa também aponta que o médico era extremamente humano e sabia que transformava a vida de crianças e suas famílias por meio das cirurgias. A bancária também tem um projeto pela causa labiopalatina e diz que Gamborgi sempre foi um parceiro nessa luta.

– Ele sempre foi uma pessoa muito iluminada, um verdadeiro anjo. É uma perda irreparável e o mundo da fissura perde muito com a ausência dele. Por outro lado, fica todo um legado e amor à causa – ressalta.

> Por que há o temor em Joinville de maior risco de agravamento da pandemia

O médico era muito reconhecido pelos familiares dos pacientes e colegas de trabalho pela junção entre a competência técnica e o amor pela profissão. O médico otorrinolaringologista Eduardo Augusto Paulo trabalhou com o cirurgião plástico durante 15 anos no Centrinho Luiz Gomes e foi testemunha da excelência do profissional.

– Ele era um cara excelente na parte técnica, mas principalmente no cuidado humano. Era o médico que comprava a briga do paciente e sempre buscava garantir o melhor atendimento e resultado – descreve.

> Infográfico mostra como o coronavírus age no corpo humano

Marco Aurélio morreu na sexta-feira, dia 4 de dezembro, em Curitiba
Marco Aurélio morreu na sexta-feira, dia 4 de dezembro, em Curitiba
(Foto: )

Homenagem para o médico no Centrinho

Os profissionais do Centrinho Prefeito Luiz Gomes vão homenagear o cirurgião plástico nesta quinta-feira (10). A ação ainda está sendo organizada pela coordenação e respeitará as medidas de segurança por causa do coronavírus. A ideia surgiu porque grande parte dos servidores não conseguiu se despedir do colega. Também há uma iniciativa para nomear uma ala médica da unidade em homenagem a Marco Aurélio Gamborgi.

> O que está proibido e o que está liberado em Santa Catarina

O médico começou a atuar no Centrinho em 2005, após ser convidado pela então coordenadora da unidade, que foi buscá-lo no Paraná devido à boa reputação do profissional na área da cirurgia labiopalatal. Atualmente, ele se deslocava até Joinville quinzenalmente para realizar as consultas ambulatoriais e as cirurgias.

– Ele dizia que amava vir para cá e a esposa nos contava que o Centrinho era a menina dos olhos dele. Tivemos sorte de conviver com um anjo e sempre falamos o quanto era especial e o admirávamos – conta Luiza Gama, coordenadora do Centrinho.

Segundo ela, a morte de Marco Aurélio foi sentida por toda a equipe, que ainda está desolada com a perda. Todos esperavam encontrá-lo no início de novembro, quando tinha data marcada para realizar atendimentos no Centrinho. No entanto, ele foi diagnosticado com Covid-19 e não viajou para a cidade. Em seguida, foi internado e não saiu mais do hospital.

– Ele era único e vamos sentir uma falta absurda para o resto da vida. Foi nosso anjo aqui na Terra, um batalhador pela continuidade do nosso serviço e espero que continue nos guiando onde estiver – finalizou a coordenadora.

Leia mais

> Reprovação nas escolas municipais de Joinville em 2020 só em caso de ausência nas atividades

> Tupy abre mais 200 vagas de trabalho em Joinville

> Redução de assessores na Câmara de Joinville fica mais distante

Colunistas