Após chegar a marca de 40 mortes por dengue em 2024, o município de Joinville deve ganhar no segundo semestre um novo aliado no combate à doença. Em estudo pelo município desde dezembro de 2023, o método Wolbachia, de origem australiana, será implementado na cidade após a conclusão de uma biofábrica de mosquitos reprodutores.

Continua depois da publicidade

A estratégia do método consiste na introdução da bactéria Wolbachia nos Aedes aegypti. Esta bactéria está presente em 60% dos insetos da natureza e não causa danos aos humanos, mas evita que o mosquito possa proliferar dengue, chikungunya e Zika.

Os mosquitos com a bactéria, chamados Wolbitos, serão liberados em Joinville e vão se reproduzir com os Aedes aegypti locais. Assim, aos poucos, estabelecerão uma nova população de mosquitos que não transmitem dengue e outras doenças. Em entrevista à CBN Joinville nesta segunda-feira (13), a prefeita em exercício Rejane Gambin explicou como funcionará a implementação do processo na cidade.

— A biofábrica está andando, no segundo semestre começaremos a soltar os mosquitos todos os dias, usando nossos mapas de calor para ver as regiões que mais tem casos de dengue, começando esse contra-ataque na natureza. Mas lembrando que é muito importante que as pessoas continuem cuidando das suas casas, usando repelente e se vacinando, porque tudo isso somado vai ajudar a gente a chegar num momento de mais tranquilidade — disse.

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

Continua depois da publicidade

A biofábrica ficará na antiga Unidade Básica de Saúde da Família do bairro Nova Brasília, que está passando por reforma e receberá equipamentos importados da Ásia. Assim, a produção do Wolbito será realizada em Joinville, como uma casa de procriação, para depois o mosquito ser solto na cidade.

Ainda na condição de vice-prefeita, Rejane Gambin realizou visitas técnicas na última semana em Niterói/RJ e no Rio de Janeiro/RJ, acompanhada por técnicos da Secretaria da Saúde de Joinville, buscando mais detalhes sobre a implantação e o funcionamento do método. Ela explicou que em Niterói houve queda de 69% nos casos de dengue nos últimos dois anos.

— Niterói tem pouco mais de mil casos de dengue neste ano, enquanto temos mais de 28 mil confirmados em Joinville. Os números são muito diferentes. Essa bactéria vai permitir que o mosquito continue se procriando, mas sem passar os vírus da dengue, zika e chikungunya — afirmou.

Em abril, os trabalhos se concentraram na etapa de engajamento comunitário com a divulgação do método em escolas municipais e estaduais de Joinville, além de capacitação de professores e equipes de saúde. A prefeita em exercício também revelou como será a aplicação do método na prática, e se disse esperançosa no resultado em Joinville.

Continua depois da publicidade

— Vamos ter um carro plotado com o nome do método Wolbachia, que vai soltar o Wolbito na natureza. Acredito muito nesse método, que tem confirmação científica, e não tenho dúvidas que a longo prazo ele nos trará bons resultados no combate à dengue – afirmou Rejane à CBN Joinville.

Onde já foi aplicado o Wolbachia

Além de Joinville, outras cinco cidades estão recebendo o método nesta fase: Londrina e Foz do Iguaçu (PR); Uberlândia (MG); Presidente Prudente (SP) e Natal (RN). Em etapas anteriores, a tecnologia já foi aplicada nas cidades do Rio de Janeiro e Niterói (RJ), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG) e Petrolina (PE).

Este método de controle das arboviroses foi desenvolvido pelo World Mosquito Program (WMP), na Austrália, e atualmente está presente em mais de 20 cidades de 14 países. Além disso, os dados de monitoramento revelam que os Wolbitos estão se estabelecendo em níveis muito bons nos territórios.

Continua depois da publicidade

Leia também

Prefeito Adriano Silva, de Joinville, viaja para Nova York

Joinville confirma mais 16 mortes por dengue e ultrapassa número de 2023 inteiro

Unidade Básica de Saúde é inaugurada no Bairro Nova Brasília em Joinville

Destaques do NSC Total