nsc
    santa

    Pandemia

    Números mostram nova estabilização do coronavírus em Blumenau

    Média móvel de casos, novas mortes, pacientes ativos, internações em UTI e taxa de letalidade mantêm platô desde o Natal; veja em gráficos

    04/01/2021 - 13h35 - Atualizada em: 04/01/2021 - 13h50

    Compartilhe

    Augusto
    Por Augusto Ittner
    Blumenau tem pouco mais de 900 casos ativos de Covid-19, apontam dados da Secretaria de Saúde.
    Blumenau tem pouco mais de 900 casos ativos de Covid-19, apontam dados da Secretaria de Saúde.
    (Foto: )

    Ao menos cinco indicadores da pandemia do novo coronavírus em Blumenau mostram tendência de estabilização nos últimos 10 dias — de 25 de dezembro a 3 de janeiro.

    Os números desse platô, porém, são maiores se comparados ao da primeira aceleração da Covid-19 na cidade, que ocorreu entre os meses de junho e agosto. Além disso, especialistas veem na segunda quinzena de janeiro um potencial aumento de novos casos em função dos descuidos de fim de ano e das aglomerações em praias de Santa Catarina. 

    Na prática, não há o que celebrar.

    > Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santa

    A média móvel de novos casos de Covid-19, por exemplo, que é o total da última semana, dividido por sete, ficou nesse período na casa dos 130. É um número bem abaixo do pico, ocorrido em 24 de novembro (428,9), mas o dobro se comparado à estabilização do fim de agosto (veja no gráfico abaixo), quando eram 65 testes positivos diários em Blumenau. Isso significa que embora esse indicador tenha parado de crescer, ele ainda se mantém alto.

    As novas mortes relacionadas ao coronavírus também se estabilizaram. Nesse período avaliado pela reportagem, foram 10 óbitos — nos 10 dias anteriores tinham sido 14 e, outros 10 dias antes, 21. A taxa de letalidade se mantém em 0,80%, mesmo patamar de 41 dias atrás — no Estado, esse percentual é de 1,07%.

    Em contraste, porém, destaca-se o fato de que há mais de seis semanas Blumenau tem uma média de mortes ligadas à Covid-19 acima de uma por dia e de que, com 58 óbitos, dezembro foi o segundo mês mais devastador da pandemia no município.

    > Enfermeira de UTI em Blumenau descreve “velórios de 10 minutos” das vítimas de Covid-19 em hospital

    Outro indicador que mostrou estabilidade foi o de blumenauenses internados em leitos de UTI. O número ficou abaixo de 40 pela primeira vez desde o fim de novembro e se mantém assim no início deste ano. Neste domingo (3), conforme dados divulgados pela Secretaria de Saúde, 36 moradores da cidade estavam em unidades de terapia intensiva.

    Por fim, o quinto indicador de estabilidade da pandemia em Blumenau é o total de casos ativos. Conforme dados do município, nos últimos 10 dias o número de pacientes em tratamento na cidade ficou abaixo de 1 mil pela primeira vez desde o início de novembro. Do fim do 11ª mês do ano passado ao início deste ano, o percentual de recuperados da Covid-19 saltou de 80,9% para 96,1%, o que não acontecia desde outubro.

    Leia também: Balneário Camboriú tem fim de semana com lotação na praia e na UTI

    E mais: Santa Catarina ultrapassa Bahia e se torna o 3º Estado com mais casos de Covid-19 na pandemia

    O gráfico abaixo ajuda a deixar claro esse cenário para você, leitor. A linha azul representa o total de casos confirmados, a verde o total de recuperados e a cor-de-rosa a soma de todos os casos ativos. No cenário ideal, a primeira e a segunda têm de estar o mais próximo possível uma da outra, com a terceira distante delas.

    Percebe-se que isso ocorreu durante o mês de setembro, com os indicadores azulados e esverdeados praticamente “colados”. Agora, apesar de haver estabilização, há um espaço maior entre elas. Esse gráfico também mostra claramente os dois picos da pandemia que ocorreram em Blumenau nos meses de julho e novembro.

    Leia também

    Com alívio nas restrições, economia de SC recupera empregos perdidos no início da pandemia

    Vacinação contra a Covid-19 na rede privada confessaria a crueldade social do Brasil

    Colunistas