A secretária de Estado da Saúde de Santa Catarina, Carmen Zanotto, falou, em entrevista à NSC TV, nesta segunda-feira (19), sobre as ações do governo para ampliar e melhorar o atendimento dos hospitais catarinenses que enfrentam mais um período de superlotação. Segundo ela, “as obras são só uma parte da solução dos problemas”.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O Hospital Regional de São José é o mais sobrecarregado da Grande Florianópolis. A unidade ganhou estruturas modulares para ampliar o setor de emergência e mais uma sala cirúrgica. Além disso, duas salas cirúrgicas foram reabertas no Hospital Governador Celso Ramos, o que aumentou em 30% a capacidade de funcionamento.

— Em termos de obras foi um conjunto intenso já em 2023 e continuamos nesse ano […] As obras são só uma parte da solução dos problemas. Nós precisamos da compreensão da população, porque 60% dos atendimentos que acontecem nas portas desses hospitais, que são de grande complexidade, são de pacientes que deveriam estar nas UPAs ou nas unidades básicas de saúde — destacou a Secretária de Estado da Saúde de Santa Catarina, Carmen Zanotto.

Segundo Zanotto, nos últimos 30 dias, dos 12,5 mil pacientes atendidos na emergência do Hospital Regional de São José, 4,8 mil foram classificados como casos de baixa complexidade, que poderiam ser resolvidos em unidades básicas de saúde e unidades de pronto-atendimento, as UPAs.

Continua depois da publicidade

— Outra ação é retirar os serviços que podem ser realizados de forma ambulatorial, que não necessitem de hospitais. Por exemplo, ampliamos a oferta de serviços das cirurgias de catarata e outras cirurgias oftalmológicas fora desses hospitais, o Celso Ramos e o Regional — disse a secretária.

Lotação de hospitais em SC

Em Blumenau e Joinville, o feriado de Carnaval registrou dificuldades no atendimento de hospitais. No Norte do Estado, a explosão de casos de dengue fez com que o Hospital Bethesda atingisse lotação nas unidades de pronto-socorro e enfermaria.

Em Blumenau, os hospitais também enfrentaram lotação nos dias de Carnaval. No Santo Antônio, o maior da cidade com atendimentos pelo SUS, um vídeo mostrou pessoas no chão à espera de atendimento. No Hospital Misericórdia, na Vila Itoupava, também houve registro de alta procura por médico, e número de atendimentos até cinco vezes maior do que a média nos últimos dias.

Conforme a última atualização do Painel de Leitos de Santa Catarina, na noite deste domingo (18), os hospitais do Estado tinham, em média, 87,5% dos leitos ocupados.

Continua depois da publicidade

Entre as regiões, a Grande Oeste (95,3%), Foz do Rio Itajaí (94,5%) e Planalto Norte (93,1%) apresentavam as maiores taxas de ocupação.

Leia também

Explosão de casos de dengue faz hospital de Joinville atingir superlotação

Hospitais lotam em Blumenau e pacientes chegam a deitar no corredor à espera de médico

HU da UFSC opera com 160% de ocupação em enfermaria e tempo de espera de até 4 horas

Destaques do NSC Total