nsc
santa

VACINAÇÃO INTERROMPIDA

Penha e Balneário Piçarras confirmam falta de doses de Coronavac; são 10 cidades nesta situação

28/04/2021 - 17h17 - Atualizada em: 28/04/2021 - 17h29

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Cidadades estão sem doses para a segunda aplicação, necessária para a proteção
Cidadades estão sem doses para a segunda aplicação, necessária para a proteção
(Foto: )

Com o esgotamento de doses da Coronavac nesta quarta-feira (28) em Penha e Balneário Piçarras, no Vale do Itajaí, Santa Catarina tem ao menos 10 cidades afetadas pela falta do imunizante brasileiro contra o coronavírus. Os dois municípios emitiram notas relatando ter zerado as doses que restavam e se somam aos outros oito que já tinham informado a situação desde a última segunda-feira (26).

> Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

> Veja dados da vacinação em cada município de SC no Monitor da Vacina

No dia anterior, terça-feira (27), Florianópolis e Barra Velha também relataram ter terminado com as doses de Coronavac e Itapoá informou que as aplicações serão comprometidas no próximo fim de semana, se um novo lote não chegar até lá. 

Além dessas, outras cinco cidades já tinham informado que estavam sem o imunizante, segundo levantamento da NSC TV: São José, Tijucas, Gaspar, Rio do Sul e Jaraguá do Sul. Na ocasião, a reportagem fez contato com 20 cidades, entre as maiores de SC, mas nem todas responderam. Dessa forma, o esgotamento pode se repetir em outros locais.

Segundo o Instituto Butantan, a próxima remessa de vacinas, será entregue ao governo federal somente no dia 3 de maio. O Ministério da Saúde, por sua vez, prometeu enviar 4 mil doses da Coronavac até a próxima sexta (30) ao estado catarinense. A informação foi divulgada pelo colunista Raphael Faraco

O Diário Catarinense questionou a Secretaria de Estado de Saúde (SES) nesta quarta sobre a previsão de chegada de novos lotes, mas não teve retorno até as 18h15min.

O último lote de Coronavac, com 129 mil doses, chegou a SC na última sexta-feira (23) e, de acordo com a Diretoria da Vigilância Epidemiológica do Estado (DIVE), todos os municípios ainda deveriam ter doses garantidas, considerando as quantidades enviadas e a orientação mais recente de aumentar o intervalo entre as doses de 21 para 28 dias.

Leia também

Bolsonaro diz que prefeitos e governadores estão “estuprando artigo 5º”

Homem que matou e roubou professor em SC queria dinheiro para voltar ao RS, diz polícia

Aumento no Bolsa Família? Bolsonaro diz que vai reajustar valor do benefício até setembro

Gaivota que sofreu maus-tratos em Laguna volta à natureza após reabilitação em Florianópolis

Colunistas