Um dos pivôs da Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef foi preso nesta segunda-feira (20) em Itapoá, no Norte de Santa Catarina. De acordo com o delegado da Polícia Federal, Oscar Biffi, o empresário será encaminhado diretamente à Curitiba e não passará pela delegacia do Estado.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Youssef foi preso por determinação de Eduardo Fernando Appio, que substitui Sérgio Moro na 3ª Vara Federal Criminal da Capital paranaense, especializada em crimes financeiros e de lavagem de ativos.

Entre os fatos apurados pela Receita, segundo a decisão do juiz, está a tentativa de compra de um avião e um helicóptero feita pelo doleiro, e diversos endereços em seu nome, o que “evidencia uma situação muito privilegiada e incompatível com as condenações já proferidas em matéria criminal”.

— Deixa evidenciado que o acusado não devolveu aos cofres públicos todos os valores desviados e que suas condições atuais de vida são totalmente incompatíveis com a situação da imensa maioria dos cidadãos brasileiros — disse o juiz em relatório.

Continua depois da publicidade

Preso durante a investigação da primeira fase da Lava Jato, em 2014, o doleiro fez acordo de delação premiada em troca de informações que poderiam ocasionar a prisão de outras pessoas envolvidas. Ele deixou o regime fechado em 2016 e utilizou tornozeleira por mais um ano.

Youssef é apontado como chefe de um esquema de pagamentos de propinas e lavagem de dinheiro.

O Juiz Eduardo Appio afirmou ainda que a investigação comprovou que, além de atuar na lavagem de dinheiro, o doleiro “tornou-se o personagem central da engrenagem que permitiu o desvio de muitos milhões dos cofres públicos e das estatais”.

Leia também

Famílias em SC voltam a receber Bolsa Família com repasse médio de R$ 695

Governo de SC anuncia “comitê de crise” e libera R$ 10 milhões para combate à dengue

Destaques do NSC Total