nsc
dc

Crime

PM de SC que admitiu ser racista será ouvido pela polícia nesta semana

Helio Martins, 57 anos, foi filmado dizendo que odeia negros e chamando uma mulher de macaca

20/09/2021 - 08h55

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Policial será intimado para depor em caso de racismo em SC
Policial será intimado para depor em caso de racismo em SC
(Foto: )

O policial militar da reserva, Helio Martins, 57 anos, será ouvido pela Polícia Civil ainda nesta semana no inquérito que investiga o crime de racismo. Martins foi filmado admitindo ser racista. No vídeo, ele diz ainda que odeia negros e chama a mulher que fazia a gravação de macaca.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Segundo o delegado Éder Matte, responsável pelo caso, o policial ainda não foi intimado, algo que deve acontecer nos próximos dias. A mulher que filmou não procurou a polícia. Os dois, segundo a polícia, tinham um relacionamento.

O vídeo viralizou na sexta-feira (17). Além das falas racistas, o homem chega a ameaçar agredir a mulher. A ação não é alvo do inquérito policial no momento.

— Porque eu tenho ódio, porque eu sou racista, porque eu não suporto negro. Eu tenho amigo negro, mas amigo decente, não essa negrada do c..., que é marrento que nem tu — disse Helio Martins nas imagens.

O crime de racismo é previsto pela Lei nº 7.716 /1989. A pena máxima é de três anos e também há previsão de pagamento de multa.

A Polícia Militar de Santa Catarina emitiu nota sobre o caso, em que afirma que o sargento Helio Martins está na reserva desde 2016. No texto, a polícia afirma repudiar qualquer violência contra mulher e o crime de racismo. O caso será encaminhado para Corregedora para uma possível investigação.

A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Helio Martins. 

Veja o vídeo 

Leia também 

Brusque tem patrocínio suspenso após polêmica com nota sobre racismo

O que vai acontecer com o dono da fábrica de objetos nazistas em Timbó

Câmera flagra ataque racista que terminou em agressões em Lages; polícia investiga o caso

Colunistas