Santa Catarina tem visto, de forma frequente, o aumento no número de registros relacionados a cobras, principalmente em residências de área urbana. São mais de 80 espécies no Estado e, de fato, o número de animais resgatados em casas tem sido recorrente, conforme afirma o biólogo da Fujama Gilberto Adhemar Duwe, que explica a situação como consequência da conscientização sobre o resgate de animais.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Não houve aumento significativo no número de aparições, conforme explica, mas um crescimento nos registros de ocorrências e divulgação delas.

— Antes as pessoas matavam as cobras sem acionar o resgate, e a situação passava despercebida. Agora, as pessoas dão mais atenção para esses animais e entendem que não podem matá-lo, assim como os resgates estão sendo divulgados com mais frequência — diz.

A opinião é compartilhada pelo também biólogo, Selvino Neckel, que relata, ainda, o maior aparecimento desses animais nos últimos anos por dois fatores: o crescimento de construções no habitat natural do animal e a maior produção de lixo e entulho — o que atrai população de roedores, que, por sua vez, atraem cobras que se alimentam deles.

Continua depois da publicidade

O especialista no assunto, Tobias Kunz, complementa:

— Também temos um relevo muito acidentado, com muitas áreas urbanas, geralmente nas baixadas, bem próximas de áreas florestais das encostas circundantes, o que causa a “chegada” desses animais nesses locais — completa Kunz.

O aparecimento de cobras deve ser preocupante?

Conforme explicam os especialistas, o aparecimento de cobras em áreas urbanas é um fenômeno nacional. Santa Catarina, porém, segundo Neckel, precisa controlar um possível crescimento desordenado e a especulação imobiliária sobre as áreas naturais.

— Se não tiver algo sério, vamos ver um aumento de casos e problemas de saúde pública, não só para nós humanos, mas também para os animais domésticos — explica.

— Não são tão perigosos como aprendemos quando criança, que eles vão correr atrás da gente. Quando peçonhentas, vão picar a pessoa para se defender e, por isso, é preciso cuidado em área de mata. Elas não picam porque querem picar, mas por defesa — complementa Gilberto Adhemar Duwe.

Continua depois da publicidade

O que fazer ao ser picado

  • Não amarre o local da picada.
  • Lave o local da picada com água e sabão. Se o acidente aconteceu nas pernas ou mãos, mantenha o membro em posição mais elevada que o corpo.
  • Não aplique qualquer produto sobre a picada e não tente remover o veneno.
  • Não corte o local e não faça sucção ou perfurações.
  • Procure o hospital mais próximo
  • Tente identificar a serpente (por foto ou vídeo), pois isso facilitará a escolha do soro antiofídico que será aplicado

Onde ligar

  • Bombeiros (193).
  • Polícia Ambiental da sua cidade (190).
  • Em caso de picada, ligue para o Samu (192), Bombeiros (193) ou vá ao hospital público mais próximo.
  • Para receber orientações sobre procedimentos de primeiros socorros, entre em contato com o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina (CIATox/SC): 0800 643 5252.
  • Fujama: (47) 3273-8008, de segunda a sexta, das 7h30 às 17 horas.

Relembre casos

A captura de cobras no Estado já mobilizou diversas vezes especialistas de diferentes regiões. No início de fevereiro, conforme divulgado pelo NSC Total, uma das espécies mais venenosas do Brasil e que pode matar humanos foi encontrada em uma casa de São José, na Grande Florianópolis. A serpente estava no telhado de uma residência.

No Norte do Estado, em janeiro, uma cobra-coral verdadeira chamou a atenção ao vomitar uma cobra-de-duas-cabeças inteira, de aproximadamente 30 cm, em Jaraguá do Sul. Segundo o biólogo que fez o registro, Christian Raboch, a serpente expeliu o animal um dia após aparecer em uma casa e ser resgatada.

Continua depois da publicidade

Quase um mês depois, também na região Norte, uma cobra dormideira foi encontrada por funcionários de um restaurante enrolada em uma cadeira de um restaurante em Jaraguá do Sul.

Na mesma época, já no Vale do Itajaí, uma outra cobra assustou os moradores de uma casa em Blumenau. A serpente invadiu o imóvel e entrou na gaiola onde estavam os coelhos de estimação da família. Um dos animais morreu após ser picado.

Veja a diferença entre a cobra-coral verdadeira e a falsa

Leia também

Conheça as 11 cobras venenosas nativas de SC e veja em quais regiões são encontradas

VÍDEO: uma das cobras mais venenosas do Brasil e que pode matar humanos é capturada em SC

Veja as cobras mais perigosas e assustadoras encontradas em SC

Destaques do NSC Total