O prejuízo na agropecuária de Santa Catarina causado pelos bloqueios nas rodovias, que duraram quatro dias, pode chegar a R$ 144 milhões, segundo a Secretaria de Estado da Fazenda (SEF). O setor foi um dos mais afetados pelas manifestações de pessoas insatisfeitas com o resultado das eleições do último domingo (30). 

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC via Telegram

Um dos principais polos logísticos e industriais da América Latina, Santa Catarina tem uma cadeia de fornecimento no modelo “just in time”, ou seja, encaixando as operações de acordo com o nível de demanda. Essa metodologia evita o estoque parado e o desperdício de matéria-prima, explica o secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli. Quando há um bloqueio em rodovias, o impacto é em toda a economia.

— Por exemplo, em uma fábrica onde há várias etapas de produção, se um componente está em falta, para todo o processo. E assim, consequentemente, vai afetando diversas indústrias, atingindo toda a cadeia produtiva. Da mesma forma, no agronegócio, uma paralisação tem reflexos imensos. Somente na produção de suínos e aves em Santa Catarina os prejuízos diários podem chegar a R$ 36 milhões — disse o secretário Paulo Eli.

De acordo com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, Mario Cezar de Aguiar, ainda não é possível quantificar os prejuízos em números, mas de fato o agronegócio foi o mais afetado. Ele destaca que também houve prejuízo para quem atua com comércio internacional, já os caminhões estavam impossibilitados de chegar nos portos. 

Continua depois da publicidade

Perdas para todo Estado

A estimativa de perda na arrecadação do Estado só poderá ser calculada analisando a receita de dezembro. Isso porque, segundo a SEF, os impactos atingem não somente o mês seguinte, mas também os próximos seis meses. Na paralisação dos caminhoneiros em 2018 foram 11 dias, que resultaram em prejuízo de mais de R$ 400 milhões na arrecadação catarinense.  

As perdas não são apenas nos cofres do Poder Executivo, destaca a SEF, mas para todo o Estado, afetando o repasse aos municípios.

— O Estado repassa 25% do que arrecada com ICMS para os municípios. Vale destacar que mais de 80% da arrecadação de Santa Catarina é proveniente do ICMS, recursos que são aplicados na Saúde, Educação, Segurança Pública e demais áreas — destacou o secretário Paulo Eli.

Leia também

Mercado otimista após eleição de Lula? Entenda as perspectivas para a economia do Brasil

SC tem 4 cidades no ranking das 10 com imóveis mais caros do país; veja lista

Concursos públicos em SC: veja vagas abertas em novembro, salários e como se inscrever

Destaques do NSC Total