Nesta quinta-feira (23), o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Leandro Grass, participou da reinauguração do casarão do Museu Nacional de Imigração e Colonização (MNIC) e de uma aula magna na Univille. Ao longo de sua participação, falou sobre a relação do Instituto com a cidade. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

Conforme Leandro Grass, em entrevista para a CBN Joinville, a cidade carrega uma grande memória do estado catarinense no país.

— Nós temos aqui sete bens tombados em nível federal. Recentemente, tivemos entregas importantes, destacando o Museu Nacional da Imigração e Colonização, uma parceria do Iphan com a prefeitura. Um investimento de R$ 3,6 milhões do governo federal reabrindo o museu. Joinville acabou assumindo um protagonismo nesses últimos anos a respeito da própria política de patrimônio — explica Grass.

Veja fotos da passagem de Leandro Grass por Joinville:

Continua depois da publicidade

A reforma do museu tem o sentido de preservar a memória da cidade e tratar o patrimônio sensível. Segundo o presidente, é importante que as novas gerações entendam a imigração como um fenômeno e que os imigrantes são pessoas de direitos.

— Quando a gente fala de imigração, tem toda uma beleza da tradição, mas também tem uma sensibilidade humana, porque o processo migratório é sempre um processo difícil. Dificilmente uma pessoa migra por vontade própria. É geralmente por forças de guerra, de fome, de destruição. Então, a imigração carrega uma sensibilidade. Esse museu torna-se uma importante ferramenta de promoção dos direitos humanos — afirma.

Novas parcerias em tratativas com a cidade

Algumas iniciativas estão sendo realizadas entre o Iphan e a Prefeitura de Joinville, relacionadas aos bens tombados da região. Em sua passagem pela cidade, o Quênia Clube, entidade da sociedade civil que trabalha com a cultura de matriz africana, também foi visitado.

Conforme Leandro, o reconhecimento dos clubes negros do Brasil é debatido como patrimônio imaterial. Além da preservação do patrimônio, também é realizada a educação ambiental, utilizada como ferramenta de preservação.

Continua depois da publicidade

Aula na Univille reflete sobre a importância do patrimônio para o desenvolvimento do país

Ministrada por Leandro Grass, a aula magna trabalhou sobre a importância do patrimônio cultural para o desenvolvimento sustentável do Brasil.O evento na instituição de ensino começou às 19h30 no auditório da reitoria e concluiu a agenda do presidente em Joinville.

— Para nós é importante ter esse tipo de evento para poder apresentar o Instituto e trazer a comunidade para o processo de preservação. Quando a gente trata de preservação de patrimônio, existe um elemento fundamental que é a criação do afeto. É nesse processo formativo da nossa juventude que isso está florescendo — acrescenta o presidente.

Leia também

Gerente da Celesc em Joinville orienta consumidores diante da instabilidade em novo sistema

Aguardada há 51 anos, Ponte Joinville ganha autorização para início das obras

Ministro de Lula virá a Joinville em evento empresarial no mês de junho

Destaques do NSC Total