nsc
dc

Segurança pública

Presídios vão retomar visitas presenciais em SC; veja a partir de quando

Aulas e atividades externas de trabalho também voltarão a ocorrer em função da queda de casos de Covid

15/09/2021 - 11h11

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Visitas presenciais serão retomadas após avanço na vacinação de presos e servidores
Visitas presenciais serão retomadas após avanço na vacinação de presos e servidores
(Foto: )

As visitas presenciais serão retomadas a partir do dia 4 de outubro nas unidades prisionais e socioeducativas de Santa Catarina.

Variante Mu: tudo o que se sabe sobre a nova cepa da Covid-19

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Em nota, a Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) informou que a retomada será “gradual e controlada”.

Além das visitas, serão retomadas também as aulas presenciais, atividades externas de trabalho e entrada de religiosos. Os envolvidos deverão obedecer protocolos sanitários, como uso de máscara, álcool gel e desinfecção de ambientes. Trabalho interno, visitas virtuais e atividade educacional remota também serão mantidos.

A volta das visitas presenciais ocorre por conta do avanço da vacinação dos internos, servidores e da população em geral, que reduziu a circulação do coronavírus e provocou queda no número de casos.

A expectativa é de que até o final de setembro a imunização de todos os internos e operadores dos sistemas seja concluída. Mesmo assim, o Estado promete manter os cuidados na unidade para evitar novos casos.

Uma portaria deve ser divulgada nos próximos dias com os detalhes sobre a retomada das atividades presenciais.

Até a segunda-feira (13), o Estado havia registrado 4.976 casos confirmados de Covid-19 no sistema prisional - sendo 3.227 deles, de presos. Desse número, 17 morreram - oito servidores, um funcionário terceirizado e oito presos.

Leia também

Gasolina atinge maior preço médio de 2021 em SC

Queiroga prevê fim da obrigatoriedade de máscara ao ar livre em novembro

Por que pessoas morrem mesmo vacinadas contra a Covid-19?

Colunistas