nsc
santa

Infraestrutura

Problema na barragem de Ituporanga motiva reforma emergencial e tira comportas de operação

Segunda maior estrutura de contenção de cheias do Vale do Itajaí ficará inoperante para obras por dois a três meses, prevê Defesa Civil

12/03/2022 - 06h00

Compartilhe

Talita
Por Talita Catie
Duas das cinco comportas estão com problema de vedação
Duas das cinco comportas estão com problema de vedação
(Foto: )

A barragem de Ituporanga, no Alto Vale do Itajaí, vai passar por uma reforma emergencial. Uma inspeção realizada em fevereiro mostrou que comportas estão com problemas de vedação. A obra deve impactar no combate às cheias se ocorrer uma eventual enchente na região enquanto o serviço não for concluído, já que a estrutura ficará inoperante. O governo do Estado informou que pretende terminar os trabalhos antes do período chuvoso. 

> Acesse para receber as notícias do Santa por WhatsApp

A estrutura tem cinco comportas, que servem para controlar a vazão da água da chuva retida no reservatório. Duas delas estão com falhas no isolamento, mas a Defesa Civil decidiu por precaução recuperar todas, para mantê-las no mesmo nível de segurança, explica o chefe da pasta, David Busarello.

— Durante o período de obras as comportas precisam ficar todas abertas. Nós vamos iniciar o trabalho por aquelas que estão com problemas, a C4 e a C5, o que vai levar de dois a três meses. A partir disso, nós vamos poder operá-la normalmente — garante o secretário ao dizer também que a reforma geral, abrangendo as cinco comportas, pode levar até seis meses. 

A obra será feita com dispensa de licitação para tentar acelerar o processo de contratação. Quando definida a empresa responsável por elaborar o projeto, o prazo será de 30 a 45 dias para entrega do documento. Depois disso ocorre a seleção para execução da obra em si. 

Mas se houver enchente?

Numa eventual enchente no Vale do Itajaí neste período, apenas uma das três barragens na região estará operando. Com a estrutura de José Boiteux inativa desde 2014 — por impasses que envolvem o governo e a comunidade indígena —, a tarefa de reter o maior volume de chuva possível ficará com a barragem de Taió - que tem menor capacidade de armazenamento, com reservatório para 99,6 hectometros cúbidos — o equivalente a 99,6 bilhões de litros. Isso representa o consumo de água de Blumenau num período de quatro anos, considerando o registro de fevereiro do Samae. 

 A Defesa Civil de Santa Catarina chegou a mudar o plano de ativação das comportas caso ocorra uma inundação. Via de regra, as sete comportas da barragem de Taió começam a ser operadas quando o nível do rio na cidade de Rio do Sul atinge a marca de 4,5 metros. Com a estrutura de Ituporanga comprometida, essa manobra deve ter início a partir dos 3,7 metros. 

— A partir de agora, qualquer incidência de chuva maior, a gente acaba retendo um pouco mais de água em Taió, para compensar essa fluidez da água de Ituporanga. Essas duas barragens atuam em conjunto — explica o secretário. 

Busarello acredita que dará tempo de toda a obra ficar pronta antes do período de chuva intensa, apontado por ele como entre setembro e outubro. Nas últimas 10 enchentes que ocorreram no Alto Vale do Itajaí, apenas três aconteceram fora desses dois meses. 

O secretário frisa que no ano passado a estrutura de Ituporanga foi manobrada duas vezes. Ressalta ainda tratar-se de uma barragem com quase 50 anos e que, como consequência, precisa de reparos. 

Não é o melhor cenário

Ademar Cordeiro, hidrólogo com longa experiência no Centro de Operações do Sistema de Alerta da Bacia Hidrográfica do Rio Itajaí-Açu (Ceops), diz que num eventual aumento de chuvas, o melhor cenário é ter a barragem apta para funcionar 100%. Um exemplo disso é o episódio da última terça-feira (8), quando a barragem de Taió teve comportas fechadas após uma chuva de 80 milímetros no Vale do Itajaí que elevou o nível dos rios.

Ainda assim, o especialista destaca que a barragem de Ituporanga não perde função em virtude do problema com as comportas. Isso porque o reservatório segue atuando como um funil de segurança que retém um volume importante de água.

> Com 94 enchentes em 169 anos, como o Vale do Itajaí aprendeu a lidar com as cheias

Já Busarello admite que obras em barragens provocam certo receio, mas aponta que é algo necessário quando se pensa a longo prazo.

— Claro que qualquer intervenção que se faz nas barragens causa certo temor na comunidade, mas é um trabalho necessário para trazer toda a segurança que se precisa — frisa o chefe da Defesa Civil estadual. 

O governo do Estado diz que a reforma das comportas estava no radar, mas não para agora. Mesmo assim, Busarello garante que não vai faltar o recurso de aproximadamente R$ 1,5 milhão, segundo estimativa prévia do secretário. 

Ele pontua que paralelamente à situação das comportas, a Defesa Civil começou o processo para executar a dragagem de toda a barragem e a troca das grandes nas entradas das comportas, com investimento de R$ 3,2 milhões.

Leia também

> Quais as espécies que habitam o Rio Itajaí-Açu; veja infográfico

> 8 a cada 10 pontos do Rio Itajaí-Açu tem alto índice de coliformes

> Rios da região de Blumenau terão 37 novas estações para monitorar enchentes

Colunistas