nsc
hora_de_sc

Meio ambiente

"Processo de erosão é natural, mas está em desequilíbrio", diz especialista sobre situação no Morro das Pedras, em Florianópolis

Segundo o oceanógrafo Gabriel Gomes, o processo ocorre principalmente por conta das construções sobre as dunas

11/06/2021 - 14h28 - Atualizada em: 14/06/2021 - 08h37

Compartilhe

Por Caroline Borges
erosao-morro-das-pedras-3
Imagem aérea de um dos pontos atingidos pela erosão, no bairro Morro das Pedras
(Foto: )

Segundo o oceanógrafo Gabriel Gomes, o processo de erosão que ocorre na região é natural, mas está em desequilíbrio principalmente por conta das construções sobre as dunas. Esse ecossistema que possui vegetação de restinga tem como função fazer uma barreira para o mar não avançar.

Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Vital para o equilíbrio da praia, o chamado “balanço sedimentar” iguala a quantidade de areia que perde para o mar e ganha durante as marés. No entanto, de acordo com pesquisador que escreveu uma dissertação sobre o tema durante o mestrado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ao longo dos anos as construções dificultam esse processo. As edificações tiveram início na década de 1960 e aumentaram a partir dos anos 1980. Conforme o oceanógrafo, a região que antes tinha uma tendência de estabilidade no processo de erosão, e até pontos de aumento da faixa de areia, foi perdendo espaço para o mar.

– A partir da década de 1980, com a ocupação mais em massa da Planície do Campeche, com a melhoria da infraestrutura da (Avenida) Pequeno Príncipe, chegada de luz e etc, a gente começa a ter essa ocupação das dunas. E o que a gente percebe hoje, pelos resultados obtidos, é que a região está agora em déficit, agora a região é massivamente erosiva – explica o especialista.

Mudanças climáticas

Para a professora do Departamento de Geociências da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), as águas vão avançar com cada vez mais força sobre as praias. Segundo a oceanógrafa, isso ocorre por conta das alterações do clima em curso que deixam ainda mais vulneráveis as áreas costeiras. Consequentemente, as populações que moram nessas regiões também serão prejudicadas:

– A gente está tendo ventos mais intensos que aumentam a maré e as ondas ficam mais altas e energéticas. Então, elas têm um poder maior de erosão nas praias – afirma.

> "O mar não recua", alerta Defesa Civil após piora da erosão no Morro das Pedras em Florianópolis

Segundo Gomes e a professora Regina, nas próximas semanas a tendência é de que o mar diminua a potência. Assim, parte dos sedimentos que foram retirados da praia durante o processo de ressaca voltarão para a praia. No entanto, a erosão da região tende a continuar.

Para a cientista da UFSC e integrante do Painel Intergovernamental de Mudanças Climática das Nações Unidas (IPCC), a solução para o problema é o investimento em estudos para entender a gravidade da erosão na região.

– A minha opinião é de que teria que ser investido um pouco mais em pesquisa, porque depende da praia. Tem região e cidade que talvez dê para fazer algumas medidas e deixar a população ali, mas tem lugares em que a melhor saída é tirar a população. Mas tem que investir. (...) A gente teria que fazer estudos bem detalhados, projeções boas de aumento do nível do mar, aumento desses eventos extremos para definir as medidas – aponta ela.

Conforme a Defesa Civil, por enquanto não há estudos específicos que envolvem o problema da erosão no bairro.

Leia também:

> Três casas correm risco de desabar no Morro das Pedras em Florianópolis por erosão

> Erosão no Morro das Pedras pode aumentar com ressaca prevista para Florianópolis

> Dobra área atingida por erosão no Morro das Pedras, em Florianópolis

> Ponte desaba e caminhão escapa por pouco; veja vídeo

Colunistas