nsc
an

Audiovisual catarinense

Filme feito em Joinville entra no ranking dos mais assistidos na Netflix

Produção joinvilense entrou no catálogo na última quarta-feira, dia 22

25/07/2020 - 06h08 - Atualizada em: 26/07/2020 - 13h54

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
foto mostra a capa do filme na plataforma da netflix com o número 8, indicando a posição no ranking
O filme era a oitava produção mais assistida da plataforma e o quarto filme mais visto nesta semana
(Foto: )

"Quando o Sol se Põe", filme feito em Joinville e por joinvilenses, entrou para a lista dos mais assistidos na Netflix nesta semana. Dois dias depois da estreia na plataforma, ele já estava na quarta posição na lista dos 10 filmes mais vistos e na oitava posição entre todas as produções da plataforma. 

> Confira os animais encantadores já avistados em Santa Catarina

A expectativa do diretor e da empresa distribuidora é que, neste sábado (25), ele suba para a terceira posição entre os filmes mais vistos da Netflix: era uma aposta que os próprios executivos da plataforma analisaram que seria possível, observando o comportamento de consumo do filme entre quarta-feira (22), quando entrou no catálogo, e a quantidade de espectadores em apenas 24 horas.

> Cinco planetas podem ser vistos a olho neste domingo

> Julho termina com frio em SC; só que agosto começa quente

— Estamos impressionados com a repercussão, mas muito felizes. É um filme com orçamento de menos de R$ 50 mil competindo com produções que custaram milhões — analisa o diretor do filme, Fabio Farias.

foto mostra a lista de filmes mais vistos
Na sexta-feira (24), era o quarto filme mais visto da Netflix
(Foto: )

Fabio abriu o Grupo Red há 17 anos em Joinville e nele desenvolve atividades para difusão da arte por meio do teatro e do cinema — sempre com uma pegada na fé e na espiritualidade cristã. "Quando o Sol se Põe" utilizou equipe técnica e atores do elenco de apoio do grupo que, em grande parte, trabalharam de forma voluntária na produção.

> Empresa projeta mega shopping a céu aberto no Litoral Norte de Santa Catarina 

Jovens estrelas da música cristã, como Priscilla Alcântara e Filipe Lancaster são os protagonistas da história, que se passa em uma universidade, com um grupo de estudantes que tem uma banda e que sonham em conquistar o prêmio de um festival para resolver os problemas financeiros. As cenas da universidade foram gravadas em uma instituição de ensino de Joinville.

"Um filme para assistir e sair, pelo menos, um pouquinho mais leve", escreveu o crítico de cinema Matheus Mans, que colabora com o jornal O Estado de São Paulo, em seu site. 

foto mostra a cantora priscilla alcântara, que protagoniza o filme
Priscilla Alcântara é a protagonista do filme
(Foto: )

Viralizou nas redes

Fábio acredita que a explicação para o sucesso do filme seja o "boca a boca", ainda que este esteja sendo realizado virtualmente. O elenco principal do filme também tem realizado a divulgação nas redes sociais, mas esta é, basicamente, a única forma de divulgação do trabalho nacionalmente.

— Não tínhamos verba para marketing, mas acho que as pessoas estão falando umas para as outras sobre o filme. Ele viralizou e tomou uma proporção gigante — comenta ele.

No dia da estréia do filme no catálogo, a cantora Priscilla Alcântara postou nas redes sociais que a mãe estava assistindo ao filme "pela 10ª vez".

"É muito fofo esse filme, foi muito gostoso de fazer", comentou a jovem, famosa desde a infância como apresentadora do programa "Bom Dia e Cia" em um de seus Stories.

> Crisálida, filmada em Florianópolis, foi a primeira série catarinense no Netflix

Os últimos dias também têm provocado uma reviravolta na vida do diretor. Fábio já havia dirigido outros filmes como "Um Lugar para ser Feliz", "Nunca é Tarde para Recomeçar" e "As Estrelas me Mostram Você", mas nada se compara à resposta de "Quando o Sol se Põe".

— Já tínhamos projetos futuros mas agora as empresas estão voltando o olhar para a gente. Um ator também já me procurou dizendo que gostaria de estar no nosso próximo filme. Estamos vivendo um momento em que todos terão que se reiventar pela falta de incentivo público ao audiovisual e pela crise causada pelo coronavírus, e acho que saímos na frente porque estamos acostumados a trabalhar com baixos orçamentos, usando a criatividade — avalia ele. 

> Receba notícias de Joinville e da região Norte de SC por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do AN

Colunistas