nsc
dc

Representatividade

“Queremos que respeitem nosso jeito de viver”, diz primeira vereadora indígena de Chapecó

O município, que tem nome originado na língua Kaingang, levou mais de um século para ter um nome das aldeias na Câmara de Vereadores

04/12/2021 - 08h32

Compartilhe

Por Ângela Bastos
iara-vereadora-indigena-chapeco-1
Aos 32 anos, Iara mora na terra indígena Toldo do Chimbangue, onde é professora de Língua Kaingang no Centro de Educação Infantil
(Foto: )

O município de Chapecó, que tem o nome retirado da língua Kaingang, tem 104 anos de fundação. Mas somente um século depois, em 2021, pela primeira vez uma mulher indígena ocupa vaga no Legislativo. Iara Campolin (PT) é suplente de vereadora e ocupou o cargo por 45 dias, a contar da posse em 6 de outubro, em substituição ao vereador petista Valdir Carvalho, que se licenciou do cargo conforme rodízio estabelecido.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Iara, 32 anos, mora na terra indígena Toldo do Chimbangue, onde é professora de Língua Kaingang no Centro de Educação Infantil. Foi a avó, já falecida, que lhe deu o nome de Iara. Ela é casada, graduada em Educação Física pela Universidade do Norte do Paraná (Unopar) e cursa Licenciatura Intercultural em Pedagogia na Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapeco).

Iara é casada e mãe de Yuri Emanuel, seis anos, e de Riquelme Kó’y Salvador, 14 anos. Primeira representante indígena a assumir uma cadeira no Parlamento de Chapecó, Iara comprometeu-se a promover e dar visibilidade às temáticas relacionadas às necessidades das comunidades locais.

Uma das propostas é a criação de um espaço específico na área central da cidade para desenvolver a cultura indígena, e que sirva de palco para apresentações de dança e de músicas. O mesmo lugar servirá para a venda de artesanato, de ervas medicinais e comidas típicas.

> Votação sobre demarcação de terras indígenas é adiada pelo STF

Mas a vereadora não quer perder a oportunidade de olhar para dentro das aldeias. Em reuniões de trabalho, ela se compromete com projetos que levem atividades socioeducativas e de iniciação esportiva para as comunidades. 

Confira detalhes na entrevista a seguir:

Qual a trajetória para ocupar uma cadeira na Câmara de Vereadores de Chapecó?

Sou suplente de vereadora pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Estou na vereança graças ao entendimento do diretório e da sensibilidade dos eleitos que acreditam na importância do dar voz à diversidade. Estou vivendo a experiência política de dar visibilidade às necessidades e anseios dos indígenas e dos munícipes.

Acha importante os índios ocuparem os parlamentos?

Sim. Acredito que somente quem conhece a realidade sabe falar dos problemas, daí a importância de ter representatividade na instância política.

> Negros representam apenas 1% dos políticos eleitos em SC nas últimas duas eleições

Pretende concorrer novamente?

Entrei numa perspectiva de abrir caminhos, porém, se as comunidades acharem por bem que eu possa dar continuidade, não posso descartar a possibilidade de ser (candidata) novamente. Mas entrei para abrir caminhos para outros que possam vir.

iara-vereadora-indigena-chapeco-2
Vereadora Iara Campolin (PT)
(Foto: )

Você é uma Kaingang. Qual é o maior desafio para o seu povo e para os povos indígenas de Santa Catarina?

O maior desafio é fazer o poder público aceitar que somos munícipes, que temos necessidades e anseios. A sociedade tem que reconhecer que temos o nosso jeito de viver, de trabalhar e que quando estamos comercializando nosso artesanato não estamos invadindo a cidade, mas que somos povos originários e que foi a cidade que invadiu o nosso território. Queremos que respeitem nosso jeito de viver.

O governo Bolsonaro está sendo considerado muito ruim para as questões indígenas, inclusive na CPI da Covid, onde se chegou a falar em genocídio. Como avalia esta situação?

O atual governo brasileiro é o pior para as questões indígenas, pois faz o discurso voltado a um processo integracionista, buscando negar a nossa cultura para posterior negar nossa identidade e existência. Hoje vivemos em constante alerta porque muitos projetos de leis, emendas constitucionais e o marco temporal, que está caindo sobre nós como um gigante, para nos arrancar dos nossos territórios.

Leia também:

> Cidade de SC tem o maior valor de emenda no orçamento secreto

> Sintomas da variante Ômicron da Covid são diferentes? Tire suas dúvidas

> Topo do funcionalismo pede reajuste de benefício à Alesc; TJ, TCE e MP enviaram projeto

Colunistas