nsc
hora_de_sc

Estética

Saiba quais as principais causas da flacidez e os tratamentos

Flacidez pode ocorrer na pele ou no músculo

28/07/2021 - 09h23

Compartilhe

Redação
Por Redação Hora
Uma das áreas mais afetadas são as pernas
Uma das áreas mais afetadas são as pernas
(Foto: )

Existem dois tipos de flacidez: a de pele, ou tissular, e a muscular. A flacidez ocorre quando as fibras de sustentação da pele, o colágeno e a elastina, são afetadas pela falta de nutrientes ou oxigenação, ocasionando uma atrofia do tecido, seja muscular ou cutâneo.

> Acesse para receber notícias de Santa Catarina por WhatsApp

É muito comum que os dois tipos apareçam associados, dando um aspecto ainda pior às partes do corpo afetadas. Os músculos ficam flácidos principalmente pela falta de exercício físico. Se eles não são solicitados, as fibras musculares ficam atrofiadas, ocasionando a flacidez.

Cada metabolismo age de uma forma, porém, no geral, a partir dos 30 anos nosso corpo começa a perder as fibras de colágeno e elastina que sustentam a pele. Sem estas fibras, a pele fica flácida, sem sustentação.

As principais causas da flacidez tissular são perda da massa muscular e aumento de depósito gorduroso no local, ação gravitacional, envelhecimento fisiológico, sedentarismo, tabagismo, exposição excessiva ao sol sem proteção, efeito sanfona (emagrecimento e ganho de peso em sequência), gravidez, alimentação inadequada e predisposição genética.

As áreas mais afetadas são braços, pernas, glúteos, abdómen e rosto.

Já a flacidez muscular é ocasionada pelo enfraquecimento do músculo devido a falta de estímulos tanto no corpo como na face.

> Conheça os benefícios da vitamina D para a saúde muscular e dos ossos

Como prevenir e tratar a flacidez

Método Body Slim

Pensando em tratar simultaneamente a flacidez de pele e muscular, e ainda melhorar o aspecto de celulite, a esteticista Lidiane Amaral desenvolveu esse método com embasamento científico, que consiste na junção de duas tecnologias.

Inicia com utilização de ondas eletromagnéticas que promovem um aquecimento na região estimulando a produção de colágeno e elastina. Logo após, são colocados eletrodos ligados a um equipamento que produz corrente elétrica de baixa intensidade para melhorar o tônus muscular.

É um tratamento não invasivo, não agressivo, rápido, indolor. Não exige cuidados pós procedimento. Proporciona firmeza à pele, aumentando a produção de colágeno e elastina, melhorando o tônus muscular e, consequentemente, a flacidez dos tecidos e a celulite.

Carboxiterapia

Essa técnica promove aumento do fluxo de sangue para a região, além de estimular a produção de colágeno e fibras elásticas, responsáveis pela firmeza da pele, pode ser usada tanto para tratamentos corporal quanto facial.

> Saiba mais sobre a carboxiterapia

Microagulhamento

O procedimento é realizado com um roller composto por pequenas agulhas que promovem microperfurações na pele, essas microperfurações são responsáveis por gerar um processo inflamatório no local capaz de estimular os fibroblastos, que são as células responsáveis pela produção de colágeno e elastina.

É importante ressaltar que é fundamental passar por uma consulta estética para que seja realizada a indicação da melhor conduta terapêutica, e quantidade de sessões para cada paciente, sempre respeitando as necessidades e individualidades de cada um.

* Por Lidiane Amaral

Leia também

Conheça os benefícios e os tipos de bioestimuladores de colágeno

O que causa as espinhas internas e qual a melhor maneira de eliminá-las?

Saiba como ter uma pele mais saudável

Unhas fracas ou quebradiças: entenda as causas

Colunistas