O Estado de Santa Catarina registrou 54 mortes por afogamento durante a temporada de verão, 32 a menos do que na temporada passada, quando foram 89 registros. O perfil médio das vítimas de afogamentos no Estado é homem, por volta dos 33 anos, conforme dados da Operação Veraneio, que encerrou no último domingo (18).

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Das mortes registradas, 23 foram em água doce (lagos e rios, por exemplo), 19 em água salgada (no mar), e 12 em áreas privadas (piscinas). Das que ocorreram no mar, 12 foram onde não havia guarda-vidas e sete ocorreram na área de cobertura dos guarda-vidas. Quatro mortes após afogamentos estão em investigação para apurar a causa real.

A idade média das vítimas é de 33 anos, e 39 são homens (entre as vítimas de água salgada e doce). Apenas três vítimas eram mulheres.

A operação também contabiliza o número de crianças perdidas (3.029) e lesões por água-viva (41.482). Ao todo, guarda-vidas e bombeiros atuaram no salvamento de 3.272 pessoas no litoral catarinense, ou seja: uma pessoa salva a cada 15 minutos.

Continua depois da publicidade

Pós-temporada

Na segunda-feira (19) iniciou a etapa de pós-temporada da operação, que segue até 31 de março. Neste período, os postos guarda-vidas começam a ser gradativamente desativados. O atendimento segue sendo realizado com 317 postos em praias de 28 municípios litorâneos. Em algumas cidades, por conta do fluxo de pessoas e turistas, o serviço é mantido durante todo o ano.

— Nesta etapa há a avaliação constante por parte do comando de cada região para definir quando e em que locais os postos serão ativados. O fluxo médio de pessoas, se é final de semana ou feriado são fatores que contribuem para essa tomada de decisão — ressalta o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina (CBMSC), coronel Fabiano Bastos das Neves.

A temporada 2023/2024 contou com a maior mobilização de tropa da história da corporação: foram 149 guarda-vidas militares, cerca de 2 mil guarda-vidas civis voluntários e 262 alunos-soldados em estágio supervisionado atuando, além de cerca de 300 viaturas, incluindo aviões, helicópteros, moto aquáticas, quadriciclos e embarcações.

Continua depois da publicidade

Lesões por água-viva e número de crianças perdidas aumentam

Nesta temporada, os atendimentos de lesões por água-viva aumentaram quase 75%. Ao todo, foram 41.482 atendimentos realizados, ou seja, a cada 1 minuto e 8 segundos, uma pessoa foi atendida nos postos de guarda-vidas.

Já em casos de crianças perdidas, o crescimento foi de mais de 20%. Nos 65 dias de operação, 3.029 crianças se perderam nas praias. Todas retornaram às famílias.

Leia também

Aumento de afogamentos de crianças em piscinas acende alerta em SC; veja cuidados

Jovem e criança de oito anos são vítimas de afogamento em Jurerê

SC registra 19 mortes por afogamento em 15 dias; veja números

Destaques do NSC Total