nsc
dc

Futebol

Sem torcida, clubes de SC acumulam mais de R$ 1,4 milhão de déficit em 2021 só para entrar em campo

Levantamento com base nos boletins financeiros da FCF e da CBF mostra quanto Avaí, Brusque, Chapecoense, Criciúma e Figueirense desembolsaram para atuar nas partidas como mandantes

10/09/2021 - 19h05 - Atualizada em: 10/09/2021 - 19h13

Compartilhe

Everton
Por Everton Siemann
clubes-futebol-catarinense-publico-estadio
Estádios de SC não recebem torcedores deste março de 2020
(Foto: )

A volta parcial de público aos estádios em Santa Catarina a partir da próxima semana pode ser vista por vários aspectos. Para os clubes, além de poder contar com o apoio incondicional do apaixonado torcedor, a presença da torcida nas arquibancadas é sinônimo de alívio financeiro.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Desde que o futebol profissional retomou as atividades em meio à pandemia, os clubes têm arcado com todos os ônus e custos que envolvem uma partida de futebol. Aos desavisados e aqueles que desonhecem a informação, o clube mandante de um jogo de futebol profissional é responsável por uma série de pagamentos. Sem a renda do público, a entrada em campo virou dívida para os times.

> Faraco: "O Neymar que pede respeito é o mesmo que, muitas vezes, não respeita"

A reportagem fez um levantamento envolvendo os cinco clubes de Santa Catarina que disputam as séries A, B e C do Campeonato Brasileiro. Juntos, Avaí, Brusque, Chapecoense, Criciúma e Figueirense acumulam mais de R$ 1,4 milhão de déficit nas partidas em que atuaram como mandantes nesta temporada.

Os dados foram computados nesta sexta-feira, dia 10, com base nos boletins financeiros divulgados pela Federação Catarinense de Futebol (FCF) e a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em de cada partida.

Chapecoense é quem acumula o maior déficit

Única representante de Santa Catarina na elite nacional, a Chapecoense é o time que tem o maior déficit. Até a apuração dos dados, o Verdão do Oeste havia jogado 19 partidas em Chapecó, entre o Campeonato Catarinense, a Copa do Brasil e a Série A do Brasileiro. Para estes compromissos na Arena Condá sem torcedor, o clube precisou desembolsar R$ 439.764,40.

> Joinvilense faz sucesso com dicas e canal oficial do Cartola FC

O Criciúma vem logo atrás. Nos 16 jogos que disputou neste ano com o Estádio Heriberto Hülse vazio, entre o Estadual, a Copa do Brasil e a Série C do Brasileiro, o Tigre teve que tirar R$ 355.634,22 do próprio bolso.

Confira quanto cada clube desembolsou para entrar em campo em 2021:

Os valores oscilam de acordo com a competição, e as taxas a serem pagas levam em conta a arbitragem e outras despesas operacionais.

Leia também:

> Sem Tiago Leifert, Globo cogita nome para apresentar o BBB 22

> Londrina aciona STJD e pede punição “severa” ao Brusque por caso de racismo

> Ciclone extratropical traz risco de temporais e queda de granizo em SC

Colunistas