nsc
dc

Coloca a cara no sol

"Sempre soube que eu era mulher": catarinense LGBTQIA+ celebra dia mundial de sair do armário

Petra decidiu se assumir como mulher para amigos e família por meio de um vídeo; já para Maikon o processo aconteceu quando teve o primeiro namorado

11/10/2021 - 19h17 - Atualizada em: 12/10/2021 - 13h48

Compartilhe

Gabriela
Por Gabriela Figueiredo
Petra divide detalhes sobre como se assumiu
Petra divide detalhes sobre como se assumiu
(Foto: )

A catarinense Petra Bonato Becker sabe desde criança que é uma mulher. Mas foi com 22 anos, por meio de um depoimento em vídeo, que contou a amigos e familiares ser uma mulher trans. Nesta segunda-feira (11), quando é celebrado o Coming Out Day, histórias como a dela vêm à tona. A data marca o dia internacional da conscientização sobre a importância de "sair do armário". E Petra não está sozinha. Longe disso.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A jovem tem 23 anos e mora em Santa Cecília, na Serra Catarinense. Porém, até os 18 anos, a catarinense nunca havia conhecido ou tido como exemplo referências positivas de pessoas trans. A psicóloga foi a primeira para quem ela contou que se reconhecia como mulher.

— Foi uma sessão linda, sabe? Eu simplesmente cheguei para a terapeuta e disse: "Eu tenho certeza de que sou uma mulher". Pronto, eu tive um apoio que nunca tinha sentido em outro momento na vida — relembra.

Segundo a jovem, a mãe sempre soube que ela era diferente e a apoiou no processo. Mas entre os amigos, poucos sabiam do desejo da jovem de fazer a transição. No dia em que decidiu sair do armário, Petra conta que gravou um vídeo e se surpreendeu com a reação dos mais próximos para quem o enviou:

— Tive um dia péssimo. Me sentia mentindo pra todos sobre quem eu era, estava cansada de ficar com esse sentimento. Cheguei em casa à noite e gravei um vídeo para o YouTube explicando o que eu sentia. Mandei pra todo mundo que importava pra mim, e o que eu mais fiquei surpresa, foi que eu só recebi amor. Ninguém se afastou de mim — lembra.

> Gêmeas trans que fizeram cirurgia inédita em SC revelam ajuda a outras mulheres: "espalhar amor"

Um ano se passou entre o momento que se entendeu como mulher e o dia em que decidiu publicar o vídeo, intitulado “I am me”, que significa “Eu sou eu”, em inglês. O vídeo de uma maquiadora trans se assumindo como mulher encorajou a jovem a fazer o mesmo. Em fevereiro de 2020, Petra pediu para que os amigos e familiares a aceitassem.

— Gostaria que minha família minha aceitasse, que o mundo me aceitasse. Mas não tá sendo fácil, nunca vai ser fácil. Esse vídeo é um informe do que vai acontecer nesses próximos meses. Então a partir de agora, pela ciência de todos, não compreensão, porque eu acredito que é um debate bem grande, esse é meu coming out — diz Petra em um trecho do vídeo.

Assista ao vídeo

A importância de sair do armário

No Coming Out Day, a Globo estreia série-documental “Orgulho Além da Tela”, que faz um retrospecto da representação LGBTQIA+ nas novelas da emissora. 

Segundo matéria publicada pelo Gshow, o lançamento traz cenas e personagens LGBTQIA+ que marcaram época e ajudaram a pavimentar o caminho para um presente com mais inclusão, respeito e representatividade.

> Ambulatório Trans tem nova sede em Florianópolis

O ator Maikon Andretti, morador de Florianópolis, assumiu ser gay para a mãe quando compartilhou que estava namorando.

— Eu disse: "Mãe, estou namorando um rapaz! Ele também é ator, e estamos muito apaixonados!" Ela sorriu me abraçou forte e disse: "Ai, que legal! A mãe fica muito feliz, porque te vejo feliz!" — relembra.

Maikon divide detalhes sobre como se assumiu
Maikon divide detalhes sobre como se assumiu
(Foto: )

Os depoimentos dos catarinenses ressaltaram a importância de se apresentar como se é para outros. O caminho para Maikon nunca foi de esconder nada:

— A gente não pode nem por um segundo deixar de ser quem é ou buscar nossa felicidade, pensando no achar dos outros! Seus pais fizeram suas vidas, seus amigos farão, e todos nós só temos uma chance! A vida acontece agora, e é curta demais para não amar muito! — ressalta o ator.

Para Petra, sair do armário é um processo que exige coragem:

— É tão valioso poder viver a minha vida da forma que eu sempre quis. Ser LGBT não é uma escolha, mas é uma escolha viver a sua verdade.

Caminhos seguros para sair do armário

Para a psicóloga Catarina Gewehr, doutora em psicologia na PUC de São Paulo, sair do armário é um ato político que precisa ser feito com responsabilidade, por segurança da pessoa que quer se assumir. De acordo com a especialista, é comum que o ato feito em um impulso possa representar riscos físicos e emocionais, principalmente para a população mais jovem.

— Às vezes, sair do armário não é a opção mais segura, mas existem maneiras de se fazer isso quando você depende dos pais, por exemplo. Talvez a melhor maneira não seja arrebentar a porta do armário, e sim preparar as pessoas para entender. Entender não no sentido de aceitar sem reservar, mas aceitar que o outro pode ser quem ele é — aconselha.

Além disso, a psicóloga diz que ter uma rede de apoio, formada por pessoas de confiança, como amigos, professores, profissionais da saúde, garante que se assumir seja um processo mais seguro.

Leia também

Casal gay é vítima de homofobia em Balneário Camboriú: "além do medo, fica o trauma"

Dois são condenados por esfaquear mulher trans em Içara, no sul de SC

Mulher trans é agredida em tentativa de homicídio em Araquari

Colunistas