O mês passado foi o setembro mais quente já registrado no mundo, anunciou nesta quarta-feira (7) o serviço sobre mudança climático do programa europeu Copernicus, que indicou que 2020 pode ser o ano mais quente da história, superando 2016.

Continua depois da publicidade

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

> Onda de calor gera alerta de risco de morte em cidades brasileiras

O período de 12 meses entre outubro de 2019 e setembro de 2020 fica  1,28°C acima da média das temperaturas da era pré-industrial.

Levando em consideração que os últimos cinco anos foram os mais quentes da história, o dado aproxima o planeta do limite de  1,5°C, a meta do Acordo de Paris.

Continua depois da publicidade

O pacto, assinado em 2015 e em que quase 200 Estados se comprometeram a reduzir suas emissões de gases do efeito estufa, pretende manter o aquecimento global abaixo de 1,5ºC, no máximo 2°C, para limitar o impacto das tempestades, secas e outros fenômenos extremos cada vez mais devastadores.

A temperatura do planeta já aumentou mais de 1°C e avança em média 0,2°C por década desde o fim dos anos 1970, destaca o programa Copernicus em seu balanço climático mensal.

> Saiba como enfrentar o calor extremo e as temperaturas acima de 40°C

E 2020 não vai mudar a tendência, pois também registra os meses de janeiro, maio e junho mais quentes da história.

“A nível mundial, setembro de 2020 ficou 0,05°C acima de setembro de 2019, o mês mais quente registrado até agora”, indica o serviço europeu. Isto significa 0,63°C acima da média do período 1981-2020.

Continua depois da publicidade

As temperaturas foram especialmente elevadas na Sibéria, seguindo a tendência de uma onda de calor que começou na primavera (hemisfério norte) e que favoreceu uma série de grandes incêndios.

Calor ártico

O calor também ficou acima do normal no Oceano Ártico, destaca o programa, ao recordar que este ano a camada de gelo no Ártico terminou o verão com a segunda menor área da história, depois da registrada em 2012.

“A combinação em 2020 de temperaturas recorde e de uma camada de gelo a um nível reduzido evidencia a importância de melhorar o controle em uma região com aumento da temperatura mais rápido que o resto do mundo”, comenta Carlo Buontempo, diretor do programa europeu sobre mudança climática.

E o Grande Norte não foi a única zona afetada.

> Como a primavera altera as condições do tempo e do clima em Santa Catarina

A América do Norte teve um mês de setembro muito quente, sobretudo dom os 49°C registrados no início do mês no condado de Los Angeles, em uma Califórnia devastada por incêndios.

Continua depois da publicidade

Além do mês de setembro, os dados dos satélites europeus mostram que o período que vai de janeiro a setembro de 2020 é mais quente que o mesmo período de 2019, segundo ano com as temperaturas mais elevadas.

A análise compara os nove meses de 2020 e de 2016, o ano mais quente da história, e revela anomalias “bastante parecidas”, segundo o Copernicus. Mas fenômenos climáticos como o desenvolvimento atual de La Niña, que tende a reduzir a temperatura mundial, “influenciarão sobre a probabilidade de 2020 se tornar o ano mais quente da história”.

> Conheça o ‘iate do Cristiano Ronaldo’ de US$ 10 milhões construído em SC

“Restam três meses, durante os quais tudo pode acontecer”, declarou à AFP Freja Vamborg, cientista do  Copernicus, antes de recordar que a agência “não faz previsões sobre as temperaturas mundiais”.

A base de dados de satélite do Copernicus para a observação das temperaturas começa em 1979, mas os dados convencionais terrestres e as informações de outras agências não mostram nenhum ano com temperaturas maiores antes de 1979, desde a era pré-industrial.

Continua depois da publicidade

Leia também:

Vídeo mostra momento em que raio atinge homem em Itapema

Homem fica pendurado em cabo no nono andar de prédio em Florianópolis; veja vídeo

Voo de balão será o novo atrativo turístico de Balneário Camboriú

Destaques do NSC Total