nsc
dc

Discriminação

Sikêra Jr é alvo de ação do MPF por homofobia

Apresentador proferiu falas preconceituosas durante o programa Alerta Nacional

29/06/2021 - 11h53

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Sikêra Jr. apresenta o programa Alerta Nacional na Rede TV!
Sikêra Jr. apresenta o programa Alerta Nacional na Rede TV!
(Foto: )

O Ministério Público Federal ajuizou no Rio Grande do Sul ação civil pública contra a Rede TV! e o apresentador Sikêra Jr. por causa de falas discriminatórias e preconceituosas contra a população LGBTQIA+ que foram ao ar na sexta-feira (25) no programa Alerta Nacional, veiculado na emissora.

> Acesse para receber notícias de Santa Catarina por WhatsApp

Na ocasião, ao criticar a propaganda que a rede de fast food Burger King criou para o Dia do Orgulho LGBTQIA+, celebrado nesta segunda-feira (28), Sikêra Jr. chamou gays de "raça desgraçada". "A gente está calado, engolindo, engolindo essa raça desgraçada que quer que a gente aceite que a criança... deixe as crianças, rapaz!", afirmou o apresentador.

Criada pela agência David e veiculada na internet, a campanha do Burger King chamada "Como Explicar" mostra filhos de casais homoafetivos contando como são suas famílias. As respostas são espontâneas.

> Dia Internacional do Orgulho LGBT: confira 10 fotos que marcam a data

Sikêra Jr. é reincidente e já tinha se manifestado de forma homofóbica em outras oportunidades. O MPF assina a ação em conjunto com a associação Nuances - Grupo Pela Livre Expressão Sexual, que atua na defesa dos direitos humanos da população LGBTQIA+.

Na ação, é pedido também que Rede TV! e Sikêra Jr. sejam condenados a pagar R$ 10 milhões por danos morais coletivos – valor a ser destinado à estruturação de centros de cidadania LGBTQIA+.

> Xuxa processa Sikêra Jr. por ser chamada de pedófila

Além disso, a ação civil pública solicita a exclusão da íntegra do programa Alerta Nacional de sexta (25) dos sites e redes sociais, e que tanto a emissora como seu apresentador sejam obrigados a publicar retratação pelos mesmos meios e mesmo tempo e em idêntico horário, especificando tratar-se de condenação judicial imposta nos autos da ação, devendo a referida postagem permanecer nos sites da empresa ré pelo prazo mínimo de um ano.

Procurada, a Rede TV! informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não tem ciência da ação e que não comenta processos judiciais em andamento.

Colunistas