nsc
nsc

Investimentos

Suas ações estão em queda? Veja o que fazer em momentos de crise

Especialista em investimentos orienta o leitor sobre como agir quando há variação negativa na bolsa de valores

01/12/2021 - 13h17

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Momentos de queda podem representar boas oportunidades no mercado financeiro.
Momentos de queda podem representar boas oportunidades no mercado financeiro.
(Foto: )

Na contramão do mercado mundial, a bolsa de valores brasileira vem renovando mínimas nos últimos meses, em meio às incertezas políticas e econômicas. PEC dos precatórios, déficit público, tapering (retirada de incentivos por parte do FED, banco central dos Estados Unidos), pesquisas para eleições de 2022 – tudo isso afeta o desempenho das ações cotadas na B3. Ainda que algumas companhias tenham registrado variações positivas neste ano, em geral, o mercado está receoso e no negativo. Muitos IPOs (initial public offering, ou oferta pública inicial), que são abertura de capital pela primeira vez na bolsa, foram cancelados ou adiados devido à crise.

Ao abrir o home broker para ver o desempenho das ações, vem o susto. Até investidores mais experientes têm tido resultados negativos em sequência, vendo os valores de algumas ações despencarem. É comum que nessa hora muitos investidores entrem em desespero e vendam as ações – tentando não ter perdas mais acentuadas.

> Como calcular minha reserva de emergência?

Não siga o “efeito manada”

No entanto, isso é basicamente o que se chama de comportamento de manada na bolsa. Enquanto a bolsa está subindo, todos compram, mais gente quer entrar para surfar a onda. Quando os ativos começam a cair, o desespero toma conta, o que faz com que as cotações caiam mais ainda.

Henrique Gomes Alves, especialista em investimentos da Warren, explica que o efeito manada é um comportamento social, e todos nós, de alguma forma, agimos dessa maneira no nosso dia a dia. Por exemplo, quando você inicia a rotina em um ambiente de trabalho novo, e vê que as pessoas se vestem de maneira menos formal, naturalmente você acaba se “juntando” à maioria, e começa a utilizar roupas mais casuais. Esse comportamento retrata aquilo que fazemos somente porque todo mundo está fazendo, e muitas vezes não temos sequer ideia da razão pela qual estamos nos comportando daquela maneira.

Então, isso nada mais é do que o comportamento de “seguir com a maioria”, e essa lógica tem sentido, uma vez que estamos condicionados a pensar que a maioria “normalmente” está certa. Afinal, por puro instinto, se você estiver na rua e ver centenas de pessoas correndo desesperadas para uma direção, imagino que não vai ser você que irá na direção contrária “conferir” o que pode estar acontecendo.

No entanto, o efeito manada nos investimentos pode ser um caminho perigoso. E não é porque a maioria normalmente não está certa, segundo Alves.

O mercado de investimentos (retratado como mercado financeiro) possui seus altos e baixos, muito de acordo com o momento econômico de cada país, e o potencial de crescimento da economia, dentre vários outros fatores mais específicos para cada ativo. Contudo, existem também aqueles movimentos “emocionais” em que vemos grandes quedas e grandes valorizações por eventos que “a maioria” julga muito bons ou ruins, mas estes eventos terão que se provar no futuro. Contudo, pelo efeito manada, esses movimentos se amplificam, pois muitas pessoas ignoram dados e fatos, e passam a agir simplesmente “conforme o grupo” completa.

De acordo com o especialista, caso o investidor sempre acompanhe os principais movimentos de mercado, principalmente ativos de risco (ações), ele provavelmente vai efetuar compra a um preço alto (quando todo mundo está comprando) e venderá quando os preços estiverem baixos (quando todo mundo está vendendo). Essa fórmula, como se pode perceber, pode dar muito errado, e levando o investidor a um grande prejuízo.

A grande questão é que os movimentos de mercado sempre ocorrerão. Contudo, o importante é se manter fiel à estratégia traçada e não incorrer em desespero quando grandes movimentos ocorrem, principalmente as quedas. Portanto, para fugir do lado perigoso do “efeito manada” ao investir, tenha objetivos claros e realize análises racionais que justifiquem os seus movimentos. Ao mesmo tempo, conte também com profissionais para auxiliá-lo nessas decisões alerta Alves.

O que analisar antes de vender ou não uma ação em períodos de queda

Antes de comprar ou vender ações, uma análise dos fatores que podem influenciar na valorização ou desvalorização da empresa deve ser feita seguindo critérios técnicos e racionais, com embasamento em análises como a técnica e a fundamentalista.

Recomendo avaliar de forma minuciosa a empresa para ter ciência da sua qualidade. Cito aqui alguns pontos importantes de análise: demonstrações financeiras, gestão, governança, perspectiva futura de crescimento, análise do setor e macroeconomia. Caso, depois da análise, você conclua que faz sentido continuar a ser sócio (ou não), tome sua decisão. Muitas vezes as decisões são difíceis, e aqui cabe também estar preparado para amargurar algum prejuízo, evitando, assim, que ele se torne ainda maior. Independentemente de sua decisão, o importante é estar convicto das razões pela qual você a está tomando, e não decidindo apenas porque a maioria está fazendo. Dessa forma, as suas chances de sucesso no mercado aumentam consideravelmente detalha.

> Como escolher o melhor fundo de investimento?

Exposição à renda variável pode estar muito elevada

Em momentos de queda, é comum que o investidor que sofre mais do que o normal perceba que a exposição à renda variável que ele escolheu está maior do que deveria e está preparado para suportar.

O especialista destaca um exercício “simples” para analisar o quanto você está confortável com a sua exposição é se perguntar “caso ocorra uma queda de 50% (metade) do que eu possuo em renda variável (o que eventualmente pode acontecer, considerando o histórico da bolsa): Eu estaria preparado para manter essas posições? Eu poderia arcar com esse prejuízo sem uma grande mudança em minha vida?”.

Caso a resposta seja não para essas duas perguntas, você possui uma exposição demasiada em renda variável e está na hora de diminuí-la para um ponto no qual você se sentiria mais confortável caso essa situação hipotética acontecesse. O mais importante ao investir em ações é ter conhecimento sobre este mercado e estar ciente dos riscos que você está correndo. Desta forma, você evita surpresas e, consequentemente, prejuízos afirma o especialista.

Diversificar os investimentos entre ações e setores diferentes é importante, mas em países distintos também. Assim, se o mercado está em baixa no Brasil, mas atinge recordes, como nos Estados Unidos, o risco e as perdas tendem a ser menores.

Além disso, quando o preço de uma ação sofre uma queda muito forte, pode ser o sinal de uma grande oportunidade de comprar o ativo por um valor abaixo do que é vendido comumente e,, em um futuro próximo, ter ganhos maiores quando os valores desta ação voltarem à normalidade.

Quer investir de forma fácil e descomplicada? Acesse o portal da Warren e veja como isso é possível.

Leia mais

Afinal, é possível investir com 100 reais por mês?

Você compra por necessidade ou por impulso? Responda ao quiz e descubra qual é o seu perfil de “gastador”

Colunistas