nsc
dc

TÁ FRIO AÍ?

Tempo esfria ainda mais em SC e gera alerta para cuidados com doenças respiratórias

Esta quinta-feira (13) pode ser o dia mais frio de 2021 até o momento, alerta meteorologia

12/05/2021 - 15h02 - Atualizada em: 12/05/2021 - 15h18

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Previsão indica que massa de ar frio e seco passará pelo Estado nesta quinta-feira
Previsão indica que massa de ar frio e seco passará pelo Estado nesta quinta-feira
(Foto: )

Esta quinta-feira (13) deve ser o dia mais frio da semana — e talvez do ano — em Santa Catarina, com temperaturas negativas em algumas cidades. A frente fria que cobre o Estado se desloca para o Sudeste e dá lugar a uma massa de ar frio e seco. Ou seja, o termômetro despenca, mas o sol ameniza a sensação de frio. 

Mesmo assim, a madrugada e manhã devem variar entre - 3ºC e 9ºC na maioria das regiões. Com o inverno 'dando as caras', infectologistas alertam para os cuidados com doenças respiratórias em meio à pandemia do coronavírus. 

As informações são da meteorologista da Epagri/Ciram, Marilene de Lima. Ela explica que essas quedas nas temperaturas ficam mais frequentes nesta época, com a aproximação da estação mais fria do ano. A tendência é que toda semana alguma massa de ar mais frio passe pela região Sul e force a retirada de casacos do armário.

Nesta quinta, a Serra Catarinense é a região que deve ter a mínima mais baixa, de - 3ºC. Urupema, que já registrou temperatura negativa neste ano, pode superar a própria marca. A meteorologista não descarta a possibilidade de geada. Nas demais regiões o termômetro varia entre 2ºC e 13ºC. 

> Por que a vacina contra a gripe se tornou ainda mais importante com a pandemia da Covid

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

No Oeste, a mínima fica em 2ºC; no Planalto Norte, Vale do Itajaí e Litoral Sul, 6ºC. A Grande Florianópolis amanhece com 9ºC. O Litoral Norte é o que terá o começo de dia menos frio, com 13ºC. As máximas em todos os municípios não deve ultrapassar os 22ºC. O sol também aparece em todo o Estado.

— Essa massa de ar frio e seco perde força no fim de semana e as temperaturas entram em elevação, mas na terça, quarta-feira ocorre um retorno do ar mais frio. Chuva? Talvez só lá pela sexta-feira, dia 21 — diz.

Doenças de inverno

Nesta sexta-feira (14), o frio continua, mas com um pouco menos de intensidade que na quinta. Dias assim normalmente significam ambientes menos arejados e pessoas mais próximas para o calor humano amenizar a sensação de frio. Combinação perfeita para a proliferação de vírus como o da Covid-19 ou gripe, alerta o infectologista Amaury Mielle. No caso do coronavírus, temperaturas mais baixas não têm relação direta com a propagação da doença, mas as atitudes (como ficar aglomerado para se aquecer), sim.

> Vacina da gripe 2021: Idosos e professores começam a ser imunizados em SC

> Sumiço de vacinas da Covid-19 em cidade de SC ocorreu por "desorganização", diz polícia

Já a influenza é sazonal, surgindo em determinados períodos do ano. Ar frio e seco é o cenário preferido deste tipo de vírus, que circula com maior facilidade. Por isso, a maior incidência ocorre no inverno. Mielle acredita que por conta do uso de máscaras e distanciamento a tendência é que a procura por médicos devido à gripe seja menor em relação a anos não pandêmicos, mas os cuidados precisam continuar — e até redobrar.

— As medidas que estamos fazendo para nos protegermos do SARS-CoV-2 se estendem para a influenza. Outra situação são os pacientes pulmonares crônicos, como os asmáticos ou que têm bronquite. Eles tendem a ter uma piora do quadro neste período e isso facilita a emergência de alguns vírus — alerta o médico.

> Florianópolis vacina contra Covid pessoas a partir de 18 anos com comorbidades; veja calendário

A infectologista Sabrina Sabino complementa que, além de manter a circulação de ar nos locais, a vacinação é uma aliada (ainda mais) importante nesta época.

— [A falta de imunização] acaba disseminando algumas doenças respiratórias, a exemplo da vacina da pneumonia, da influenza e agora da Covid-19 também. Tem vários outros, mas estes são os principais — explica.

Colunistas